[ editar artigo]

10 lições que aprendi com minha startup

10 lições que aprendi com minha startup

A empresa OSAKA foi meu primeiro projeto empreendedor após me formar em engenharia mecânica na UFSC. Foi em 2012, e a ideia seria desenvolver produtos inovadores em cerâmica avançada. A primeira linha desenvolvida aliou alta tecnologia ao desenvolvimento de utensílios de cozinha inovadores, e fez bastante sucesso desde o início, e o SEBRAE foi peça chave para o desenvolvimento do nosso negócio.

Sempre penso em lições aprendidas, e elas vão ficando mais importantes a cada ano que desenvolvo meu negócio. Aqui trago as primeiras 10 que aprendi errando muito:

1.Esqueça o produto. 

Todas as empresas sabem o que fazem; algumas sabem como fazem; poucas sabem por que existem. Focar em sua estratégia é o melhor meio de atingir o crescimento e se estabelecer no mercado. Difícil? Comece, então, pensando no seu mercado: defina uma estratégia de posicionamento e atuação de sua marca para seu público-alvo. Só depois defina os produtos. Quem pensa em produto se limita; Pense no mercado e na estratégia, e você rapidamente terá tantos produtos que sua imaginação (e conta bancária) não darão conta. 

2.Lance-se o mais rápido possível. 

Nossa marca foi feita no PowerPoint e nossos primeiros catálogos no Paint. Não espere o "perfeito" para começar a receber feedbacks do mercado. Eles serão indispensáveis para você nortear toda a sua estratégia e pivotar, se necessário. 

3.Pivote rapidamente. 

O termo é derivado do inglês to pivot ("mudar" ou "girar") e designa uma mudança radical no rumo do negócio. 

A primeira ideia de negócio da empresa foi criar facas de cerâmica. Entramos no mercado timidamente. A segunda ideia foi criar o Afiador de Facas OSAKA. Em seis meses estávamos em quase todos os estados do país. A razão? Entendemos que as pessoas compram benefícios, e não tecnologia. Busque o que seu mercado quer, e se não for o seu produto, mude. Essa é a mudança mais barata. Acredite. 

4.Não tenha medo de falar com os grandes. 

Nossa primeira reunião de vendas foi para colocar o Afiador OSAKA na televisão. Não deu certo, mas recentemente fomos recebidos no showroom de quem seria nosso maior concorrente – e surgiu uma parceria inesperada! Quando procuramos fornecedores, sempre falamos com os maiores da área – muitas vezes imaginamos que os preços são impagáveis – e na maioria das vezes estamos errados. 

5.Invista na sua marca. 

Se você nunca ouviu falar em Branding, é melhor começar: defina como sua marca será vista e percebida por seus diferentes públicos, e qual a linguagem a ser utilizada. Marca forte é aquela que oferece vantagem real ao consumidor e sabe comunicar isso com clareza. Sempre. 

6.Busque parcerias. 

Todos os seus projetos precisarão de (muito) dinheiro. Defina primeiro os projetos; se ele for realmente inovador e escalável, o dinheiro virá. Parcerias são fundamentais também para networking. Associe-se a entidades ligadas ao seu negócio. Os benefícios e projetos geralmente chegam por elas. Procure o SEBRAE. APEX. Associações Comerciais. Projetos setoriais. Aceleradoras. Incubadoras. Conecte-se! 

7.Seu problema será o canal de distribuição. 

Os problemas com o produto ficam pequenos perto dos desafios de distribuição: onde estão seus clientes? Como você fará o relacionamento? Onde encontrar representantes? Vendedores? Distribuidores? Gaste energia com essas questões desde o começo. Respondê-las será fundamental para garantir seu sucesso no mercado. 

8.Clientes nem sempre tem razão... 

Mas não podemos perdê-los! É melhor perder a batalha e ganhar a guerra. Invista em um CRM, seja rápido em suas respostas e esteja sempre em contato. Segmente seus clientes para gastar menos energia e dinheiro em suas campanhas. Esteja sempre um passo à frente. A entrega atrasou? Experimente ligar antes que ele reclame. O problema ainda está ali, mas a receptividade será outra, acredite! 

9.Esqueça vendas consignadas. 

Um de nossos primeiros clientes pegou uma pequena quantidade de afiadores consignada. Seis meses depois, quando estávamos com problemas para suprir nossa demanda, ligamos, para ver como estava seu estoque: não havia vendido nada! Consignação não funciona. Procure sempre os clientes dispostos a pagar por seu produto. Se não encontrar, mude o produto. 

10.Tenha um mentor. 

Procure um investidor anjo, Venture Capital, seu chefe, tio rico... enfim, pessoas com experiência e que te ajudem a tomar as melhores decisões. Sabe aquela "pergunta de 1 milhão de dólares?" Eles tem a resposta. 

Veja como aquele projeto está atualmente: www.yuze.com.br

Clube Sebrae
Guilherme Eiras
Guilherme Eiras Seguir

Guilherme Oliveira de Eiras, 29 anos, Engenheiro Mecânico pela UFSC e mestrado em Administraçpela EAESP-FGV, com atuação na indústria alemã. Atualmente empreende na yuze, onde implementou um modelo de negócios diferente. Vale a pena conhecer!

Ler matéria completa
Indicados para você