[editar artigo]

O embasamento científico por trás do uso de boas práticas

Olá! Como tem passado?

No post anterior - O que você, a Flávia e o Alejandro têm em comum -  eu tratei bastante sobre esse ambiente de trocas de práticas e experiências entre empreendedores.

E daí?

Como isso vai ajudar a lucratividade e o crescimento da minha empresa? - você me pergunta.

É sobre isso que falaremos hoje.

Em 2015, o economista e pesquisador David Mckenzie publicou uma pesquisa com o objetivo de determinar a relação entre o uso de práticas de gestão em uma pequena ou média empresa com bons resultados financeiros e crescimento do negócio.

Em suma, o que esses pesquisadores encontraram foi bastante positivo. O que eles descobriram é que empresas que se preocupam em aplicar boas práticas de marketing, finanças, gestão de estoque e contabilidade são empresas com melhores resultados financeiros e consequentemente, com maiores índices de crescimento.

"Utilizando dados coletados em sete países em desenvolvimento, nós mostramos que o índice de práticas de gestão tem uma forte correlação com maior resultado em vendas, maior lucratividade e maior produtividade da mão-de-obra, além de crescimento em geral da empresa. " (David Mckenzie, 2015)

Mas o que são essas boas práticas?

Em uma outra publicação chamada Por que compartilhar suas práticas aqui, eu expliquei que toda empresa, com o passar do tempo, acaba gerando uma série de lições aprendidas que passam a ser incorporadas como práticas. Porém, esse conhecimento não precisa necesssariamente vir dos próprios “erros”. Muitas empresas estão constantemente na busca de formas de melhorar a estratégia e a operação com o objetivo de obter vantagens competitivas e eficiência. Para isso, empresários buscam as “melhores práticas”, que nada mais é do que inserir na empresa aquilo que já é conhecimento consolidado.

Quer um exemplo? Você sabia que visitar seus concorrentes como benchmarking, para avaliar se o seus preços e mix de produto estão competitivos é uma boa prática de marketing?

Pare para pensar: o simples ato de trocar experiências e boas práticas que você usou e implementou no seu negócio, contar uma forma que você encontrou para resolver um problema comum ao seu negócio pode ajudar não só aquele que lê e se utiliza de suas ideias, mas isso tem um impacto direto no desenvolvimento do mercado e da economia, por consequência.

A tal da Economia Colaborativa...

Geralmente, quando se fala em Economia Colaborativa, falamos em compartilhamento de carro, taxi e bicicletas, mas nós nos esquecemos que a maior de todas as colaborações que esta revolução está provocando é a produção e desenvolvimento de conteúdo.

"O principal valor agregado desta nova tendência de colaboração, além de ganhos econômicos, é a produção e o desenvolvimento de conhecimento."

Faça parte dessa revolução. O Clube está com milhares de usuários cadastrados e centenas de artigos publicados. Isso é incrível. Agora você já é parte dessa iniciativa que tem tudo para ser a maior rede de geradores de conhecimento sobre empreendedorismo.

No próximo post, vou contar um pouco sobre a razão de ser dos clubes e vou mostrar 3 casos de clubes que estão dando certo.

Não deixe de fazer seu comentários sobre o que achou desse conteúdo.

Matheus Ferraz
Matheus Ferraz Seguir

Escritor e consultor de SEO @Upwell

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar
Indicados para você