[ editar artigo]

Acolhimento cria clientes defensores para seu negócio

Acolhimento cria clientes defensores para seu negócio

Acolhimento cria clientes defensores para seu negócio. Isto é fato!

Esse tipo de cuidado não é um processo sensorial arraigado exclusivamente nos instintos e personalidades. Acolhimento vai além do conceito instituído para uma abordagem mais humanizada no campo da saúde. É a capacidade da pessoa gerar um elo pela afinidade, pelos sentimentos.

Existem inúmeras ferramentas de PNL capazes de trazer o acolhimento. O rapport é uma delas. Esta capacidade de criar uma conexão com a outra pessoa é um grande recurso, mas é necessária uma habilidade comunicativa que pode não ser de seu conhecimento.

Para entender o acolhimento não precisa de muito estudo ou reflexão sobre técnicas de atendimento ao cliente ou estratégias. Acolhimento significa humanização. Como você gostaria de ser tratado quando estiver como consumidor?

Esta preocupação vai além de seus interesses como empreendedor. Está no DNA de qualquer pessoa que se propõe a ser cordial com os outros. Está na sua intenção de querer fazer a diferença para alguém em algum aspecto. Significa ser benevolente com a natureza em que está inserido. Está na sua intenção de preservar o ambiente da melhor forma possível.

Aliás, acolhimento deve ser um princípio mútuo de todos. Quando os japoneses vieram para Curitiba assistir aos jogos da Copa do Mundo, deram para nós aulas sobre acolhimento. Está na sua capacidade de ser responsável perante a sociedade. Afinal de contas, estamos vivendo em sociedade, em ambientes comunitários e de interesses similares.

Quando eu falo em acolhimento para o empreendedor, estou me referindo ao seu estado humano como princípio, não como interesse. Você deve acolher para ser acolhido. Você deve ser tolerante para tolerarem você. Compreende? É disso que estou falando. Esqueça os termos e técnicas de PNL que podem fazer parte das experiências sociais. Vamos ser humanos?

Que tal dar bom dia às pessoas que você encontra na rua e lhe dão abertura para isso?

O que acha de ser cordial com o caixa do supermercado ao qual você frequenta?

Eduardo Almeida, autor do livro No caminho da vitória, falou certa vez para mim uma frase impactante: você tem o direito de falar qualquer coisa para as pessoas, desde que você fale do jeito certo. Ele se referia a forma respeitosa que devemos nos tratar. Indiferente de nossas opiniões, devemos respeitar os outros. E isso não significa ignorar.

Aliás, ignorar também não é a solução. Apesar de muitas pessoas se dedicarem ao ato de ignorar, essa prática não é funcional dentro do ambiente comercial.

Outra leitura bastante interessante está no livro A empresa medieval. Neste livro podemos compreender como grande parte das empresas se esmeram na falta de atendimento coerente com sua missão.

Missão e visão de negócios, instituídos em todos os modelos de negócios, vigentes no universo empreendedor, perdem sentido quando percebemos a prática de suas condutas perante os clientes. Cadê o acolhimento? Verdade.

O que eu provoco aqui neste artigo é a sua capacidade de ser responsável enquanto empresa, enquanto negócio e também enquanto ser humano. Devemos lutar para evitar que as relações comerciais sejam medíocres.

Confesso que às vezes me sinto impelido a dar uma palestra sobre acolhimento empresarial de forma gratuita. Isso porque quero realmente que as empresas que gosto prosperem. Do contrário, viveremos essa normalidade no Brasil de empresas nascendo e morrendo como mosquitos, ou seja, de meses em meses. Isso não pode acontecer.

Isso até pode acontecer se você acabar solicitando aqui nas mensagens.

Dentro das ações do marketing de engajamento você encontrará muitas propostas de rapport ou de ações para aplicar em seu negócio. Gosto particularmente do metodologia dos 1000 clientes que Luciano Kalil propõe, mas se não houver de sua parte o acolhimento, viverá uma retórica ilusão. Porque cedo ou tarde os clientes darão o feedback mais verdadeiro possível sobre seu negócio, ou seja, a falta de consumismo por parte deles. O que é uma empresa sem clientes?

Estou esperando seu comentário aqui. Abraços e até a próxima.

Clube Sebrae
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Um cidadão que deixou de ser passivo para trazer luz e ambiente à discussão social e político.

Ler matéria completa
Indicados para você