[ editar artigo]

Amigos e negócios. É possível misturar amizade e empreendedorismo?

Amigos e negócios. É possível misturar amizade e empreendedorismo?

Cada vez mais se tornou comum que, funcionários de uma mesma empresa e setor tenham estreitado seus laços, virando amigos fora do exercício profissional. Hoje você os vê em happy hour depois do expediente, se depara com fotos juntos em redes sociais, programas fora do ambiente de trabalho e por aí vai.

Essas pessoas passaram a partilhar não só o ambiente de trabalho, mas a vida pessoal também. O trabalho permitiu que fosse criada uma afinidade e um fortalecimento de laços - o que é perfeitamente compreensível que aconteça com pessoas que trabalham há muito tempo juntas.

Isso pode ser considerado muito bom, pois quando há essa relação de amizade e companheirismo, as atividades e coletividade da equipe costumam fluir de uma maneira melhor. Essa ação gera resultados cada vez mais positivos para a empresa. Entretanto, quando amigos resolvem aproveitar esse laço de afinidade para iniciar um empreendimento juntos podem obter outros resultados, nem sempre esperados.

A ideia inicial sempre é boa, gerada pelo sonho de ambos. Mas será que isso pode dar certo na prática? Sabemos que, se não administrada de maneira correta, essa relação de sócios-amigos pode acabar prejudicando tanto a amizade quanto o negócio.

Caso você esteja pensando em iniciar uma sociedade com um amigo, citamos nesse artigo os prós e contras dessa decisão e separamos seis dicas para ajudar você a gerir esse relacionamento, preservando a amizade e o bom funcionamento da empresa! Confira!

Tudo a favor!

Assim como em toda relação encontramos altos e baixos, numa sociedade criada por amigos também há. A relação pode favorecer em alguns aspectos e prejudicar em outros. Por isso é necessário que se tenha bom senso e discernimento para saber separar as coisas, sem que nenhuma das relações e interesses saiam prejudicados.

Como vantagem podemos citar a possibilidade de comunicação, pois duas pessoas que possuem liberdade e intimidade o suficiente, conseguem falar sobre qualquer coisa com mais facilidade. Isso ajuda na hora de dar opiniões ou também quando precisam resolver determinado problema. Parece que as coisas ficam mais claras e fáceis.

Essa relação também proporciona ao ambiente de trabalho um ar mais leve e descontraído, sem que haja uma relação 100% de sócios. Isso acaba fazendo com que as atividades fluam de uma forma mais tranquila, podendo gerar resultados melhores para o negócio.

Outro fator positivo contribuinte são os objetivos em comum. Muitas vezes a ideia inicial do negócio partiu do desejo de realização pessoal de ambos. O que significa que, juntos, os dois geralmente visam os mesmos objetivos e resultados. Isso facilita na hora de estabelecer metas e objetivos.

Do contra!

Mesmo aproveitando a intimidade a favor da relação de sócios, é essencial que ela não se misture no meio profissional. A intimidade pode fazer com que vocês tratem de qualquer assunto durante o trabalho, e isso não é legal que aconteça. Assuntos pessoais devem ser tratados fora do ambiente de trabalho - naquele happy hour entre amigos, num jantar, num almoço de domingo, mas nunca na empresa.

Além do mais, é necessário que mesmo que você saiba que seu sócio é seu amigo, tenha tato para tratar sobre determinados assuntos, mantendo sempre a discrição para evitar constrangimentos desnecessários. Vocês podem acabar levando os problemas da empresa para o lado pessoal e essa atitude afeta a produtividade.

Outro fator prejudicial pode ser a divisão de atividades. Você espera que seu sócio realize a tarefa e ele espera isso de você. Nenhum dos dois faz ou acaba pesando apenas de um lado. O ideal é dividir as tarefas de igual para igual, cada um com suas responsabilidades

Como manter a amizade atrelada ao bom funcionamento do negócio

1. Respeite a opinião do outro

É claro que em algum momento vocês terão divergências de opiniões e o ambiente de trabalho não está livre de determinadas discussões. Mas, o respeito entre vocês deve prevalecer, mantendo o bom senso e educação para resolver o problema que estão tendo. Discuta as opiniões e caso não concorde com seu parceiro, não vire ou feche a cara. O profissionalismo nessa hora ajudará manter a boa impressão, mesmo porque de nada adianta ficar irritado, o certo é resolver de forma amigável.

2. Compartilhe soluções

Coloque-se no lugar da outra pessoa e ajude-a a resolver problemas que possam aparecer. Caso você tenha pensado numa ideia ou solução repasse ao seu colega para que possam solucionar o problema juntos.

3. Tenha confiança

A confiança é fundamental para o negócio. É importante que você confie nas habilidades e capacidades do seu sócio. Não teria sentido você abrir uma sociedade com uma pessoa que você não considera um bom profissional, compreende?

Isso também significa que você deve permitir que ele desenvolva as atividades que possui mais habilidades, portanto, se ele for bom em contas o ideal é que sua função seja voltada para essa área.

4. Separe a relação pessoal da profissional

Como já citamos, não vale ficar falando dos assuntos pessoais no ambiente de trabalho, isso porque os outros funcionários também não podem fazer isso, então vocês devem dar o exemplo. Dentro da empresa a relação deve ser marcada pelo profissionalismo e seriedade e isso deve ser levado em conta mesmo que vocês não tenham funcionários. É essencial separar a empresa da vida pessoal.

5. Formalizem tudo em contrato

O ideal é deixar tudo documentado em contrato, desde o início da sociedade até quaisquer decisões que sejam tomadas posteriormente.

É importante que você tenha em mente que independentemente da condição, é como se houvesse a contratação de um funcionário e, para tal, é necessário um contrato. No caso da sociedade, seria o contrato social - atribuindo as funções a cada um e deixando claro o papel de ambos na sociedade.

Dessa forma, o contrato serve para evitar conflitos futuros e dar um respaldo referente ao combinado para ambas as partes.

6. Definam objetivos

Quando se inicia uma sociedade, os objetivos costumam ser os mesmos. Mas, com o passar do tempo, as mudanças pessoais na vida de cada um podem fazer com que tomem a decisão de alterar os planos profissionais. Essa atitude acaba afetando a empresa. A família de um pode aumentar, os gastos pessoais do outro também, fazendo com que se deseje aplicar menos dinheiro no negócio, por exemplo.

Portanto, antes que isso venha a acontecer, é necessário que os objetivos e metas sejam estabelecidos e pensados em longo prazo, para que a vida pessoal de cada um não venha a interferir no negócio.

É claro que também não há problema algum em mudar as rotas e planos, mas desde que ambas as partes estejam em pleno acordo. Afinal o negócio faz parte da vida dos dois, e não de um só.

Criar uma sociedade possui muitos benefícios, mas há pontos prejudiciais que precisam ser analisados antes de tomarem a decisão final. Tudo que é realizado com planejamento e respaldo sempre dá certo. O fundamental é que os objetivos estejam atrelados e apontados para o mesmo foco.

Isso vale para qualquer tipo de sociedade, entre amigos, parentes, familiares. Tudo necessita de muito planejamento e bom senso. E vale muito a pena aproveitar os benefícios de ter um amigo como sócio!

E mais proveitoso ainda é navegar pelo Clube Sebrae e ficar por dentro de outros assuntos sobre empreendedorismo, gestão financeira, gestão de pessoas, entre outros. Escreva um post com a sua experiência!

Clube Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você