{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Aumenta o impacto do setor audiovisual na economia — e a tendência é continuar crescendo
[editar artigo]

Aumenta o impacto do setor audiovisual na economia — e a tendência é continuar crescendo

O audiovisual é um dos segmentos que mais cresceu nos últimos anos, em especial por conta da popularização de novas formas de consumo de conteúdo neste formato. Basta analisar o aumento nas produções independentes que ganham popularidade com a internet, o surgimento de novos canais no Youtube e também a crescente busca de anunciantes e emissoras tradicionais pelo consumo em novas plataformas.

Prova disso é o recente estudo que foi divulgado pelo Sebrae em parceria com a Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais, a Apro. O título é Mapeamento e Impacto Econômico do Setor Audiovisual no Brasil, e como já citei acima, a principal conclusão é que este mercado está entre os que mais cresce no Brasil e a tendência é que isso se mantenha nos próximos anos.

<<Faça download da pesquisa completa sobre o audiovisual aqui>>

Por conta da sua abrangência e pelas dimensões grandes do segmento — reúne cinema, TV, publicidade e mídias digitais — o estudo foi realizado pela Fundação Dom Cabral. O objetivo do documento foi de justamente deixar clara a relevância do setor para a economia, apresentando informações que permitam que os profissionais da área compreendam o contexto abordado e possam pensar em ações que contribuam com este movimento.

O principal dado apresentado na pesquisa e que evidencia bastante este crescimento é o aumento de 153% na quantidade de horas de produção registradas na Ancine (Agência Nacional do Cinema) entre os anos de 2008 e 2014 — um total de 4.288 horas produzidas e registradas. Dentre estas, o destaque maior fica para as produções seriadas, que passaram de 703 horas em 2008 para 2.943 em 2014. Um resultado expressivo de 318%.

Impacto econômico

Não há melhor forma de avaliar o impacto econômico de um setor que não a geração de renda e empregos na área. Neste quesito a pesquisa também mostra um panorama bastante animador. Se pensarmos em empregos diretos, em 2014 o setor empregou 98.700 pessoas com carteira assinada e ainda mais cerca de 107.000 posições de trabalho indiretas.

<<Faça download da pesquisa completa sobre o audiovisual aqui>>

A remuneração também aumentou, chegando a atingir um valor 64% mais alto que o salário médio praticado em nossa economia como um todo. Em 2014 este número chegou a R$3.685, e sobre as receitas das empresas do setor estima-se que o faturamento seja de mais de R$40 bilhões.

Dentre os segmentos existentes no setor a TV por assinatura e o consumo sob demanda, como a Netflix, chamam atenção também. O primeiro cresceu 244% entre 2008 e 2014, sofrendo um aumento no faturamento que pulou de R$9,3 bilhões para R$32 bilhões. Vale lembrar, no entanto, que este segmento reúne todas as operações de TV paga, publicidade, telefonia e banda larga.

No segmento sob demanda os números são igualmente impactantes, especialmente se levarmos em consideração o período analisado. Para os próximos anos o estudo projeta um crescimento de 33% na receita do setor até o ano que vem, pulando de US$260 milhões em 2015, para US$462 milhões em 2018.

<<Faça download da pesquisa completa sobre o audiovisual aqui>>

O futuro é multiplataforma

O vídeo sob demanda, modelo em que o espectador consome o conteúdo conforme sua necessidade, seja em na Netflix ou em uma plataforma aberta como o Youtube, está entre os que mais cresceu e possibilitou oportunidades de negócio.

Esse crescimento só foi possível pela popularização dos dispositivos mobile e da internet móvel. Ou seja, você não precisa mais estar em casa ou no trabalho diante de uma TV ou computador para consumir conteúdo audiovisual. Para isso basta um smartphone e aí qualquer lugar vira uma sala de TV.

Isso motivou a profissionalização de muitos blogueiros e Youtubers que enxergam nesta mudança uma oportunidade de negócio. Grandes cases do Youtube estão aí para não me deixar mentir e o aumento no alcance dos vídeos no Facebook também justifica esta tendência multiplataforma.

<<Faça download da pesquisa completa sobre o audiovisual aqui>>

A tecnologia não fica restrita, no entanto, apenas ao Youtube e a Netflix. Outros segmentos, como o conteúdo em realidade virtual, também surgem como tendência de desenvolvimento para a indústria audiovisual. Em pouco tempo a combinação entre as novas plataformas, a mudança nas tendências de consumo e o surgimento de novos dispositivos proporcionaram um aumento vertiginoso nas horas gastas pelas pessoas com este tipo de conteúdo.

Uma relação quase perfeita, já que todos os envolvidos saem ganhando. Tanto quem consome, que passa a ter mais acesso a produções audiovisuais, quanto para os empreendedores do segmento que veem surgir novas oportunidades de negócio diariamente.

Recentemente recebemos aqui no Sebrae o Erick Krulikowski, consultor de negócios e professor da Fundação Dom Cabral que coordenou o trabalho realizado para esta pesquisa. O objetivo da visita foi justamente discutir mais sobre o mapeamento e as tendências do setor. Veja abaixo!

<<Faça download da pesquisa completa sobre o audiovisual aqui>>

Walderes Bello

Walderes Bello

Consultora - Sebrae/PR

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Artigos relacionados

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar