Cinco filmes clássicos sobre Wall Street para desvendar o mercado financeiro
[editar artigo]

Cinco filmes clássicos sobre Wall Street para desvendar o mercado financeiro

O mercado financeiro, Wall Street, crises, fraudes e muita ambição inspiram Hollywood desde muito tempo. São muitos os filmes que mostram a realidade daqueles que trabalham com quantias exorbitantes de dinheiro – uns com abordagem diferente de outros. Veja a seguir cinco dicas de filmes sobre Wall Street que irão te ensinar mais sobre gestão de finanças, impactos de uma crise financeira e a dura realidade do mercado da área.

1 – Grande demais para quebrar (Too big to fail, 2011)

O filme conta da quebra de um dos maiores bancos de investimento dos Estados Unidos, o Lehman Brothers, que ocorreu em 2008 e abalou o mercado financeiro do mundo inteiro. A história do filme passa entre março e outubro de 2008, quando o banqueiro Richard Fuld tenta negociar com outros personagens a fim de salvar a corporação. Com as ações caindo, Fuld se vê na necessidade de cortar dois funcionários muito próximos. Um grupo coreano negocia a compra da Lehman Brothers, mas acaba desistindo. Uma sucessão de eventos vai se desenrolando até que o Lehman Brothers é obrigado a pedir concordata, afetando profundamente o mercado financeiro dentro e fora dos EUA.

Filme interessante para quem quer entender melhor sobre a crise de 2008 e mostra que nenhuma corporação está livre de problemas que podem levar a sua quebra.

2 – O dia antes do fim (Margin Call, 2011)

Outro filme que retrata a crise de 2008, O dia antes do fim conta a história de um banco de investimento, uma versão fictícia do verídico Lehman Brothers, que precisou vender todos os chamados “papéis podres” (empréstimos para pessoas físicas ou jurídicas que não teriam condições de crédito normalmente) para tentar salvar o banco.

O filme levanta uma discussão ética, sobre se o melhor é quebrar sozinho ou adiar sua quebra prejudicando os demais. Uma pessoa que não conhece bem a história e os fatores que levaram a crise de 2008, quando assiste o filme, continuará sem entender muito bem. O filme vai contando os eventos sem a preocupação de contextualizar e explicar cada passo dado. No entanto, é um bom filme e traz o questionamento sobre até onde a ganância pode levar as pessoas.

3 – Wall Street – Poder e cobiça (Wall Street, 1987)

Diferente dos dois primeiros filmes, esse não é baseado em casos reais – mas é uma história que pode ter acontecido e se repetido muitas vezes nos EUA. O personagem Bud Fox, vivido por Charlie Sheen, é um jovem que trabalha com o mercado de ações e sonha em viver o estilo de vida dos grandes milionários. Desta forma, conhece Gordon Gekko, bilionário que o adota como discípulo. Bud começa a fazer trabalhos de ética questionável para Gekko para conseguir atingir o padrão de vida sonhado.

Essa história mostra o reflexo do otimismo que cercava o mercado financeiro americano, relacionado com o já famoso american way of life. Esse otimismo teve sua queda na época em que o filme foi lançado, com a crise de 1987.

4 – A verdade da crise (Inside job, 2010)

Esse documentário de 2010 narrado por Matt Damon explora também a crise de 2008, mostrando o lado obscuro de Wall Street. Uma das frases usadas para promover o documentário foi “Se você não ficar revoltado no final do filme, você não estava prestando atenção”.

Uma pesquisa muito bem feita e entrevistas com pessoas relacionadas com o mercado financeiro dando seu parecer sobre o que levou a essa grande crise moderna mostra como o interesse de um pequeno grupo de pessoas acabou por prejudicar a vida de milhões. Documentário essencial para quem quer entender melhor os fatores que levaram a crise e todas as consequências trazidas por ela para todos os outros países.

5 – O Lobo de Wall Street (Wolf of Wall Street, 2013)

Indicado ao Oscar, o filme de Martin Scorsese mostra a história de Jordan Belfort, vivido por Leonardo DiCaprio, que trabalhou em uma corretora em Wall Street em busca de uma vida melhor. Meio ao Black Monday, Belfort perde seu emprego e, após outras experiências profissionais, resolve montar uma empresa focada em papéis de baixo valor, a Stratton Oakmont. Comandando essa empresa, Belfort enriquece junto com seus amigos.

A ganância do personagem principal o leva a um estilo de vida moralmente questionável, se envolvendo com drogas e abrindo contas em paraísos fiscais. O que é mostrado pelo filme para empreendedores são as consequências da ambição sem limites.

Juliana Soares
Juliana Soares Seguir

Gestão Site - SebraeMS

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar
Indicados para você