[ editar artigo]

Como internacionalizar uma startup?

Como internacionalizar uma startup?

Desenvolver um negócio escalável, repetível, em um cenário de muitas incertezas - incluindo o produto ou serviço, processos e plataformas adotadas - Essas são as principais características de uma startup. Além disso, empresas desse tipo têm, por semelhança, a busca pelo estabelecimento da marca mundo afora. Porém, o processo de globalizar um produto ou serviço demanda bastante planejamento e requer alguns cuidados.

Você deseja saber o que é preciso para internacionalizar uma startup? Continue acompanhando este artigo e acesse uma lista com cinco práticas essenciais.

Vantagens de internacionalizar uma startup

Antes de tudo, você já parou para pensar o que pode ganhar com a sua empresa expandindo as fronteiras de atuação? Com a internacionalização de sua startup, suas ideias, de fato, podem ganhar o mundo! Seja ao exportar o seu produto ou serviço ou, até mesmo, abrir uma filial no exterior, você acaba amplificando as chances de sucesso do seu empreendimento, subindo o volume de vendas e consolidando a reputação da sua marca.

Na verdade, uma das recomendações de especialistas é a de que as startups já nasçam com a mindset global, para ganharem em competitividade no mercado e conseguirem envolver seus colaboradores nas transformações pelas quais a empresa vai passar. Aos poucos, esse mindset tende a ser modificado, principalmente se os empreendedores investirem em estratégias para aumentar a mentalidade global.

Porém, de qualquer maneira, é muito importante que o seu negócio já esteja forte o suficiente para aguentar esse novo estágio. Vale aquela antiga máxima “aprender a andar, para começar a correr”.

Aproveite as possibilidades da tecnologia

A tecnologia está disponível para ajudar. Quando o assunto são startups, então, esse mecanismo surge, quase que, como um sinônimo. O Spin-off Lean Acceleration, um projeto lançado pela USP (Universidade de São Paulo) , em parceria com universidades europeias e latino-americanas, traz uma ferramenta online que tem o objetivo específico de auxiliar no processo de internacionalização desse tipo de empresa. A ideia é trazer um checklist do que não pode faltar nessa estruturação para alcançar o mercado internacional.

Anote outras dicas fundamentais para começar com tudo no mercado estrangeiro:

Dica 1 – Faça pesquisa de mercado

Procure investigar tudo o que for possível, antes de colocar a sua empresa para operar em outro país. Busque compreender, por exemplo, como a sua solução seria recebida por lá; quais são seus principais concorrentes e que preço médio cobram; como funcionam as leis e os tributos na região em que pretende operar; e de que maneira poderia resolver a questão logística para distribuir seus produtos ou desenvolver seus serviços. Saiba também de que tamanho, de fato, é esse mercado e qual o seu potencial de crescimento, para se preparar da forma correta.

Uma boa maneira de entender como a dinâmica de negócios do país para o qual você quer levar a sua empresa funciona é estar presente em feiras, convenções e congressos internacionais ligados ao seu segmento.

Dica 2 – Realize um planejamento

O planejamento é a base para qualquer nova ideia ser colocada em ação de maneira estruturada. Um bom planejamento estratégico pode fazer toda a diferença no processo de internacionalização da sua startup. Considere nesse plano as campanhas de marketing que fará lá fora (adaptando as campanhas à realidade e tradição locais), o modo com o qual você vai gerir a sua equipe à distância, qual será o preço praticado e como você pretende alinhar os objetivos, valores e missão da sua empresa.

Aproveite e coloque no papel também quem são seus principais concorrentes, fornecedores e clientes em potencial e quais barreiras culturais podem ser impostas ao seu produto ou serviço. Assim, as chances de enfrentar uma crise ficam lá embaixo.

Dica 3 – Busque formas de captar investimentos

Para deslanchar de vez no mercado de destino, a operação da sua startup em âmbito internacional vai demandar dinheiro. Há a possibilidade de esse montante ser menor, caso a sua empresa não exija a implantação de uma estrutura física ou contratação de equipe para atuar in loco, mas ainda é necessário.

Por esse motivo, se puder, comece a ver de que forma levantará esses recursos o quanto antes. Esta é uma etapa que não deve ser negligenciada! O capital pode ser reunido por meio de fundos de investimento, joint venture ou, até mesmo, a venda de ações da empresa, com a abertura de capital na Bolsa de Valores.

Dica 4 – Reúna parceiros no exterior

Se você fosse se mudar para um país completamente novo, é natural que procurasse fazer novas amizades por lá, não é mesmo? Quando se trata de um negócio, o pensamento não é muito diferente. A ideia é formar uma rede de apoio que possa te ajudar a driblar as dificuldades iniciais inerentes à internacionalização da sua startup. Isso vai proporcionar a você mais segurança, além de te ajudar a se inserir no novo mercado.

Algumas instituições, como o Banco Santander, até oferecem a possibilidade de encontrar bons parceiros, por meio do programa Clube Santander Trade – são exportadores e importadores prontos para fazer negócios. Consulte as opções e amplie a sua rede de contatos!

Outra alternativa interessante é participar do StartOut Brasil, um programa do Governo Federal, em parceria com o Sebrae e outras instituições, que contribui para que startups tenham contato com os ecossistemas mais inovadores de todo o mundo. A última edição aconteceu em Lisboa, de 4 a 16 de novembro, e os próximos destinos já estão definidos. Essa vivência também é um prato cheio para estabelecer novas conexões de negócios.

Dica 5 – Crie demanda para o seu produto

Essa recomendação é especialmente válida se envolver algum aspecto cultural no seu produto ou serviço. Pode acontecer de os estrangeiros não estarem acostumados com a sua oferta e não terem interesse. Cabe a você despertar esse desejo nos corações e mentes dos consumidores.

Viu só? A internacionalização de uma startup pode ser desafiadora, mas é possível de acontecer. Basta muito planejamento, estabelecer as parcerias certas e recorrer à ajuda especializada, em alguns casos. Depois disso, basta colher os louros de seu negócio global!

Gostou deste material? Fique de olho no Clube Sebrae e confira muito mais! Se você também é empreendedor, pode compartilhar a sua experiência, escrevendo para este canal.

Clube Sebrae
Crislayne Andrade de Araujo
Crislayne Andrade de Araujo Seguir

Jornalista pela Uerj, com MBA em Marketing pela FGV e certificação de Produção de Conteúdo para Web, tem experiência em comunicação organizacional e redação para empresas globais. Focada em estratégias de comunicação e marketing para PMEs.

Ler matéria completa
Indicados para você