[ editar artigo]

Como precificar os produtos da forma mais adequada?

Como precificar os produtos da forma mais adequada?

Precificar produtos é uma tarefa que costuma dar dor de cabeça a muitos empreendedores. A razão é a frequente preocupação em gerar faturamento sem deixar de satisfazer os clientes.

A saída para esse dilema é encontrar o equilíbrio — o que não é nada fácil. Com algumas dicas e usando as fórmulas certas, há como atribuir o valor correto — e justo — ao seus produtos. Confira como fazer isso com as dicas que separei aqui!

Por que é importante saber definir o preço de venda?

A importância de saber colocar preço nas mercadorias vai muito além de ser uma estratégia de atração de clientes. Existem diversas e importantes razões para ter muito critério ao precificar seus produtos. Veja só:

  • Ajuste do público-alvo: o preço da sua mercadoria é mais uma maneira de informar ao mercado qual é o tipo de consumidor ao qual sua empresa é voltada;
  • Satisfação do consumidor: sem dúvidas, um preço ajustado ao bolso dos clientes é um dos principais motivos para ele comprar seus produtos pela primeira vez e continuar comprando;
  • Concessão de descontos: ao estabelecer uma margem mínima plausível, fica assegurado que a empresa não virá a ter prejuízos nas suas vendas;
  • Ampliação dos resultados: quando o preço de venda de uma mercadoria está adequado, ele é capaz de gerar lucro e desenvolvimento. Da mesma forma, uma definição errônea sempre compromete os resultados, podendo levar a empresa à falência;
  • Pagamento de obrigações: uma precificação correta garante que haverá recursos em caixa para custear toda a operação, bem como o pagamento das obrigações, como os impostos e os salários;
  • Combate à concorrência: uma política de preço justa garante ao gestor saber até onde ele pode ir para manter seus produtos competitivos.

4 dicas para precificar os produtos da forma mais adequada possível

Agora que você já conhece a importância de precificar os produtos, chegou o momento de descobrir qual é o real valor do seu produto ou serviço. Veja nossas dicas e nunca mais erre uma precificação!

1. Conheça suas despesas e seus custos

O principal perigo em adotar uma estratégia de preços baixos é o de ter prejuízo, ainda que as vendas sejam boas. Isso pode acontecer se o valor faturado for menor do que a soma dos custos e das despesas.

Num cenário como esse, o gestor costuma se enganar com o maior número de clientes e se anima com isso. No entanto, no final, ele perceberá que sua margem de lucro ficou achatada de tal forma que verá sua empresa acumular dívidas. Esse ciclo vicioso não o deixará sair do vermelho.

2. Determine seu lucro líquido

Muitas empresas, sobretudo as que estão em fase de implementação, tendem a definir o lucro como o valor suficiente para cobrir os custos e as despesas. Mas essa estratégia fará com que sua empresa apenas sobreviva, sem proporcionar o ganho de fato.

Mas como definir o lucro? Primeiro você deve saber que ele é a diferença entre o faturamento das vendas ou do serviço e a somatória das despesas e custos. O valor bruto é quando se considera somente os gastos da execução da atividade, e o líquido quando incluímos tudo o que saiu do caixa.

O ideal é encontrar o equilíbrio, lembrando que preços muito baixos afetam as finanças e os muito elevados afastam os clientes e levam ao encalhamento de mercadorias.

3. Observe o mercado

O aspecto mercadológico também não deve ser esquecido. Ou seja, o seu preço de venda precisa ter compatibilidade com as exigências do mercado, para não ficar fora do padrão praticado por seus concorrentes.

É inegável que certas campanhas de venda jogam os preços para baixo, ainda que temporariamente. Isso não é necessariamente negativo, desde que seja pontual e não uma prática constante da empresa.

O importante é não fazer da guerra de preços uma ação ininterrupta. E há duas boas razões para isso: uma delas é que seus concorrentes podem conseguir melhores condições junto aos fornecedores — e por isso conseguir preços menores; a outra é porque há grande risco de falência.

4. Use fórmulas para precificar os produtos

De nada adianta as dicas anteriores se você não souber como precificar os produtos ou o seu serviços de fato. Para isso, é necessário — e prático — usar algumas fórmulas.

A rigor, uma forma básica de determinar esses valores é se valer da soma do custo do produto, dos percentuais de custos, das despesas variáveis e fixas, e do percentual de lucro.

As outras fórmulas que são mais precisas na identificação dos preços exigem cálculos mais apurados. Uma maneira muito usada no comércio para começar a determinar o valor de venda de um produto é fazendo o cálculo da porcentagem do custo fixo. Veja a fórmula abaixo:

% CF (custo fixo) = média mensal do custo fixo x 100 / média mensal de todas as vendas

Depois, determina-se a taxa de marcação, obtida pela fórmula:

TM (taxa de marcação) = 1 - % CC (custos de comercialização*) + % CF (custo fixo) + % lucro/100

*Os custos de comercialização são gastos como impostos e comissões.

A seguir, determina-se o custo da mercadoria que foi vendida (CMV), que é o valor pago na compra do produto que será vendido ao consumidor final. Por fim, temos a fórmula que mostra o preço de venda à vista (PVV), dado pela fórmula:

PVV = CMV/TM

O preço do seu produto está maior ou menor que o da concorrência?

Convém lembrar que, fazer comparações do preço que você pratica com o da concorrência deve ser uma prática constante, independentemente do tamanho do seu negócio ou do seu volume de vendas.

Por isso, observe o mercado e qual a razão de a concorrência estar com preços menores que o seu — se for esse o caso.

Quer saber mais?

Neste artigo, mostramos os elementos essenciais para precificar os produtos de forma a obter o melhor resultado possível para os seus negócios. Para ver mais dicas como essa continue navegando aqui no Clube Sebrae, a maior rede brasileira de empreendedores do Brasil.

Clube Sebrae
Renata Fraia
Renata Fraia Seguir

Jornalista, Farmacêutica e Escritora. Como Redatora (Produtora de Conteúdo / Editora com SEO), é certificada em Inbound Marketing pela Hubspot, RockContent e Contentools. Experiência: Blog Posts e Social Posts, especialmente saúde em geral, medicina,

Ler matéria completa
Indicados para você