[ editar artigo]

É preciso ter investimento para atingir o sucesso com uma Startup?

É preciso ter investimento para atingir o sucesso com uma Startup?

Para a maior parte das pessoas conectadas com o universo das Startups, ter uma boa ideia é o começo de tudo e a base sobre a qual um projeto deve ser desenvolvido. Para profissionais de negócios mais tradicionais, o ponto de vista pode ser um pouco diferente, visto que muitos deles ainda acreditam que sem investimento financeiro não é possível formatar uma ideia para que ela se transforme em um produto ou serviço rentável. Será que isso é verdade?

Essência e inovação

Um dos primeiros negócios que, de certo modo, pode ser considerado como o antecessor das Startups é a empresa fundada por Steve Jobs e Steve Wozniak. Talvez eles não tenham realmente começado tudo em uma garagem, como diz a história oficial, mas certamente eles tinham uma ideia que serviu como base para a fundação da sua empresa. Juntos eles criaram um dos primeiros computadores pessoais da história, tiveram sucesso, ganharam dinheiro e depois seguiram rumos opostos, cada um investindo nas ideias em que acreditava.

Outro exemplo de uma empresa de sucesso que, supostamente, nasceu em uma garagem é a Amazon, um negócio de bilhões de dólares que não para de se expandir por todas as partes do mundo. Seu fundador, Jeff Bezos, acreditava que a Internet tinha potencial para substituir os canais tradicionais de vendas (ele começou com livros) e, então, apostou seu tempo e recursos escassos para transformar aquela ideia em algo real.

Nesses dois casos, apesar de seus idealizadores terem usado suas economias como investimento inicial, o que realmente fez com que seus projetos decolassem foi o desenvolvimento de ideias que eram inovadoras e tinha alto potencial de expansão. Isso é justamente a essência de uma Startup.

Mas há também casos, muitos dos quais desconhecidos, de Startups que não conseguiram seguir em frente. Os motivos são variados e, geralmente, o fracasso é causado por uma ideia que não resolve um problema ou por uma expectativa que não se transformou em realidade. Em casos assim, nem mesmo com investimento seria possível conseguir o sucesso, já que o problema não é falta de dinheiro, mas sim falta de um boa ideia.

Mas será que isso significa que, realmente, não é preciso investimento para que uma startup consiga se lançar como um sucesso comercial? Talvez não seja bem assim. Pode ser que o sucesso ou fracasso também dependa de fatores desconhecidos e variáveis nem sempre compreendidas.

Ideias que nem sempre precisam de investimento

Existem muitos casos de projetos inovadores que não precisaram de recursos para que se tornassem grandes sucessos. Esse talvez seja o caso de alguns segmentos da área de tecnologia em informática.

Algumas das mais recentes inovações de sucesso têm estreita relação com a área de programação de computadores e smartphones. Isso tem explicação pelo fato de que a única ferramenta requerida para o desenvolvimento de um projeto desse tipo costuma ser um computador, não necessariamente de primeira linha. Os “ingredientes” restantes são o conhecimento, que pode ser adquirido por conta própria, e a dedicação, que pode incluir muitas noites em claro.

Nestes casos, o programador desenvolve um aplicativo, site ou outra tecnologia que seja capaz de resolver um problema da sociedade. Um dos exemplos mais recentes desse tipo de solução é o desenvolvimento do BlockChain, a tecnologia revolucionária por trás do Bitcoin e de outras criptomoedas. Jovens de todas as partes do mundo têm criado novas soluções usando apenas a base dessa tecnologia e seus próprios conhecimentos. A maior parte dos projetos ainda está em fase inicial ou na etapa de validação pelo mercado.

Depois que um projeto desse tipo atinge um certo grau de desenvolvimento, o investimento externo pode ser bem-vindo para permitir aprimoramentos, compra de equipamentos mais sofisticados, locação de uma sede, investimento em marketing digital e outros itens que contribuam com a sua expansão.

Situações em que o investimento é necessário

Por outro lado, há situações em que o investimento é praticamente indispensável. Imagine, por exemplo, uma Startup que está formatando uma ideia totalmente original no ramo de pesquisa farmacêutica. Geralmente esse tipo de negócio exige equipamentos específicos e uma grande quantidade de insumos e materiais descartáveis. Sem investimento o projeto pode se tornar inviável e a ideia inicial, mesmo que seja boa, terá de ser abandonada ou, na melhor das hipóteses, repassada a uma empresa que possa desenvolvê-la.

Esse também pode ser o caso de Startups focadas na criação de produtos com base de hardware, como robôs. A eletrônica deixou para trás sua fase analógica, em que pessoas como Jobs e Wozniak podiam criar algo em suas garagens. A tecnologia atual exige máquinas específicas para soldagem de componentes, equipamentos apropriados para a gravação de programas e muitos outros dispositivos para criar mecanismos, partes hidráulicas e tudo mais que seja necessário ao desenvolvimento desse tipo de tecnologia. Sem dúvida alguma, um projeto desse tipo necessitaria de investimento inicial para que fosse possível criar ao menos um protótipo.

Em casos como esses, poderá ser necessário buscar investimento logo no início da criação da Startup, pois do contrário não haverá meios de desenvolver os projetos e transformá-los em produtos ou serviços. Para isso existem duas principais alternativas:

  1. Investidor Anjo – São pessoas físicas que dispõem de recursos financeiros e, também, de conhecimento útil a determinado nicho de mercado. Seu envolvimento no projeto é formalizado por meio do contrato social, o que significa que ele será dono de parte do futuro negócio;
  2. Crowdfunding (https://exame.abril.com.br/pme/8-sites-de-crowdfunding-para-voce-tirar-sua-ideia-do-papel/) ou (http://gshow.globo.com/TV-Tem/Revista-de-Sabado/noticia/2016/07/crowdfunding-e-tradicional-vaquinha-feita-pela-internet.html) – Bastante comum nos Estados Unidos e em países europeus, essa modalidade é usada para captar recursos de diversas pessoas interessadas em ajudar alguém a desenvolver um projeto, com ou sem obrigação de retorno. Existem sites especializados em ajudar quem busca esse tipo de financiamento, como é o caso do Catarse e do Benfeitoria, entre muitos outros.

Estágios em que um investidor pode não ser a melhor ideia

Apesar da frequente discussão sobre ser ou não necessário investimento para que uma Startup tenha sucesso, a questão é que grande parte dos desenvolvedores sonha em ter apoio financeiro para transformar sua ideia em algo real. Isso é, portanto, esperado e desejado pela maioria das pessoas, mas nem sempre é uma boa alternativa, especialmente dependendo do estágio atual do projeto.

Startups em fase inicial normalmente não têm um produto validado que possa ser oferecido ao mercado e, por isso, podem ser prejudicadas ao receberem pressão dos investidores. Vale lembrar que o investidor aplica recursos visando sua multiplicação e, portanto, nem sempre terá paciência para aguardar o avanço do projeto. Por esse motivo, é razoável que a aceitação de investimento em estágios iniciais seja precedida de um acordo formal que garanta o livre desenvolvimento do produto ou serviço, ressalvada apenas a necessidade de realização de entregas de partes do projeto com certa periodicidade.

Compartilhe conhecimento

Receber ou não investimento não é sinônimo de sucesso para uma Startup. O sucesso depende de um projeto bem elaborado e que seja capaz de, efetivamente, resolver um problema ou prestar um serviço à sociedade. O investimento pode ser bem-vindo dependendo do tipo de projeto, mas é preciso cautela para que ele não se torne impeditivo ao fluxo normal de criatividade da equipe.

Para saber mais sobre esse assunto e analisar outros pontos de vista leia mais artigos no Clube Sebrae, a maior rede de empreendedores do Brasil. Conecte-se ao Clube e encontre todas as informações de que precisa para levar adiante sua Startup.

Ler matéria completa
Indicados para você