[ editar artigo]

Empreendedorismo no entretenimento

Empreendedorismo no entretenimento

Empreendedorismo no entretenimento pode ser algo inusitado, mas tem tudo a ver com a era do compartilhamento. Isso porque produtores buscam escala de audiências. E isso só é viável se levar em conta as relações instituídas no público alvo.

Trago neste texto 7 dicas para você criar seu case de sucesso em produtos audiovisuais, televisivos ou radiofônicos. Mas você precisa ler até o final este texto para compreender o caminho de experiências que tive trilhando esta jornada.

Deixo claro aqui que escalar audiências significa buscar uma amplitude cada vez maior de espectadores, ouvintes ou internautas, enfim, pessoas que consomem o produto final.

EMPREENDEDORISMO COLA EM PRODUTOS CRIATIVOS?

Cola muito! E esta relação entre compartilhamento e engajamento deve ser compreendida em sua profundidade pelo produtor que almeja seu produto consolidado no mercado audiovisual ou mesmo televisivo e radiofônico.

Só uma observação, não entendo ser a linguagem teatral um produto de escala, porque está diretamente associada com a experiência presencial, obviamente, sem demérito qualitativo.

Na esfera de produção, precisei desenvolver comparações entre os comportamentos empreendedores e os princípios de comunicação, afinal de contas, cada plataforma exige convergência com o produto produzido. Tenho inclusive dois cases de sucesso no universo do rádio consolidados no mercado curitibano.

PROVA DE QUE TUDO ESTÁ LIGADO

1) BOA DA PAN - Rádio Jovem Pan Curitiba - Programa de entretenimento que precisou ser desenvolvido respeitando a demanda descontraída que uma rádio jovem exigia.

Use a responsabilidade de construir um programa que trouxesse alguma originalidade sobre produtos similares dentro da mesma grade de programação. Foi realmente um desafio.

No entanto, a relação empreendedora entre o produtor e o produto me fez enxergar laboratórios fundamentais para encontrar uma metodologia de produção que gerasse escala de audiência.

Da direita para a esquerda: Zico Lamour, Kéfera, Rafael Cardoso, Johnny Linhares

Neste projeto compreendi que não há produto perfeito, mas sim produto feito. E através de ajustes diários, trouxe para a direção o gerenciamento de equipes criativas.

Criar um ambiente de criatividade não é uma tarefa fácil. Tive que ter muita habilidade com pessoas para respeitar meus objetivos sem extrapolar os limites e focos de cada um.

Resultado: O BOA DA PAN hoje tem um público consolidado no horário das 18h às 19h depois de 8 anos no ar, sendo minha direção nos 4 primeiros anos.

2) SAIDEIRA CAIOBÁ - Rádio Caiobá FM - programa de variedades e entretenimento. Há cerca de 6 meses aceitei o desafio ingrato de criar um produto que tivesse a missão de bater o case que falei aqui anteriormente: o programa BOA DA PAN. Confesso que a confusão me tomou. No entanto, recorri aos preceitos do empreendedor.

Desenvolvi uma equipe criativa que tinha a missão de modernizar aquilo que poderia ser um limite, ou seja, um programa de rádio com imagem.

Hoje temos em praticamente todos os programas de rádio imagens transmitidas por lives no Facebook ou no YouTube. E neste processo estamos desenvolvendo nossa linguagem.

No entanto, não posso esquecer do foco principal: o conteúdo. Temos que desenvolver conteúdo de qualidade para atender o público almejado. E este tipo de produção não se faz por acidente, mas sim com planejamento e coordenação de ações e atividades.

Da esquerda para a direita: Budu Noldin, Thiago Agostinelli e Rafael Cardoso

ESTAS DICAS FUNCIONAM PARA OUTRAS PRODUÇÕES?

Produção de rádio e produção audiovisual hoje em dia estão próximos. Não é coincidência que a radionovela seja do mesmo estrato criativo que a novela televisiva; ou mesmo os seriados. São objetos convergentes com a mesma finalidade, ou seja, desenvolver produtos que sejam escaláveis em suas audiências.

E estes princípios eu uso em outros projetos que estou à frente, como produtos de educação à distância que gerencio. Um destes projetos é o canal de YouTube de Alejandro Valente, referência do universo da beleza que também faz parte do Clube Sebrae. Considero um case de sucesso porque tem resultados escaláveis construídos pelas mesmas estratégias que usei nos cases do rádio.

Por isso, trago aqui 7 dicas que sigo a risca quando estou a frente de um projeto como produtor.

1) IDENTIFIQUE O QUE O PÚBLICO ESPERA

Pode até ser um jargão batido, mas mesmo assim vale a pena frisar. Ao contrário do que a genialidade pode romantizar, não adianta ter uma grande ideia se não existem pessoas para usar.

Neste sentido, você precisa lembrar das necessidades do avatar. Muitos negócios e projetos viram fracassos porque não levam em conta a necessidade do público almejado. Uma boa ferramenta para identificar necessidades são questionários simples.

2) DEFINA O PRODUTO DE ACORDO COM O PERFIL

Compreendeu as necessidades do cliente? Do espectador? Das pessoas que você quer atingir? Agora está na hora de desenvolver o produto de acordo com as expectativas. Neste aspecto vale lembrar que você pode construir uma ficha humana para este avatar.

O que seu produto pode fazer pelas pessoas que serão impactadas? É uma questão fundamental. Não ignoro a afirmação de Steve Jobs quando declarou "As pessoas não sabem o que querem até nós mostrarmos". Para toda regra há exceção. E também o volume de validações que a Apple fez no caso IPhone não é declarada em canais de comunicação de massa. Mas houve essas relações.

Sabe o que é um produto bom? Produto consumido. Por que Game of Thrones é um sucesso? Porque ele entrega o entretenimento que se propõe para um público órfão da trilogia Senhor dos Anéis, O hobbit, Harry Potter e tantos outros.

3) COMPREENDA AS CARACTERÍSTICAS DE CADA PLATAFORMA DE COMUNICAÇÃO

Cuidado para não querer impor sua vontade sem saber como apresentar este projeto em qualquer lugar. Exemplo disso são as características das redes sociais. Dá para postar um filme dentro do Instagram? Claro que não. Já no YouTube é viável. Porém, é rentável? Talvez seja melhor negociar com a Netflix.

4) CRIE UMA ESTRATÉGIA PARA ESCALAR AUDIÊNCIAS

O produtor precisa criar um ambiente de escala. Isso porque ele precisa disso para fomentar lucro. O projeto audiovisual ou radiofônico, ou mesmo o projeto para mobile e on demand precisa de escala. Inclusive o cinema, e para isso existem os distribuidores.

Como criar estratégias para escala? Um bom caminho de escala é o marketing digital. Há também o marketing de engajamento. Isso funciona muito em redes sociais envolvendo autoridades de segmento. Exemplo disso é a expectativa que o Omeleteve faz. Você pode acompanhar mais sobre eles clicando no link.

5) ESTABELEÇA UM MODELO DE NEGÓCIOS

Um bom projeto precisa ser viável. A ideia precisa ser um projeto viável. Na verdade precisa ser mais. A ideia precisa ser um modelo de negócios.

Seu produto deve ser algo tão dirigido que precisa ser tratado como negócio. Uma ideia rica gera uma série de relacionamentos comerciais.

Listo aqui um grande estudo acadêmico desenvolvido com o foco no modelo de negócios da Netflix que mudou o conceito audiovisual quando projetou séries e filmes como modelos de negócios. Vale muito a pena conferir o estudo.

6) ACOMPANHE RESULTADOS

Os resultados precisam ser acompanhados compreendendo que ajustes podem ser uma realidade permanente caso o projeto tenha esta janela. Novelas são assim, pois devem respeitar as expectativas do público. Seriados são mais limitados, mas os produtos de televisão em geral procuram aferir seus resultados e dar ajustes conforme o feedback.

Não tenha medo de ajustar enquanto a nave segue seu curso caso haja essa possibilidade.

7) NÃO ABRA MÃO DA QUALIDADE DE SEU CONTEÚDO

Mesmo você compreendendo a demanda de mercado e os interesses dos contratantes ou canais de comunicação, não abra mão da qualidade de conteúdo.

Produção de conteúdo é um ato de sustentabilidade. Nada se sustenta se não tiver a qualidade que o público espera em algum aspecto. Por isso, não abra mão de sua qualidade, ainda mais se você for um produtor de conteúdo.

O legado a se deixar vai além dos interesses mercadológicos. Assim ensinou George Lucas quando construiu o universo Star Wars.

Espero ter contribuído neste longo texto. Qualquer dúvida, pode enviar sua mensagem que procuro responder assim que possível.

Abraços e sucesso.

 

Espero

 

 

 

Clube Sebrae
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Um cidadão que deixou de ser passivo para trazer luz e ambiente à discussão social e político.

Ler matéria completa
Indicados para você