[ editar artigo]

Empréstimo na crise: que cuidados preciso tomar?

Empréstimo na crise: que cuidados preciso tomar?

Em meio à crise econômica, fazer um empréstimo no banco parece ser a luz no fim do túnel para o empresário em dificuldades financeiras. O dinheiro pode chegar em muito boa hora para alavancar o negócio ou mesmo tapar buracos, pagando dívidas que se acumularam nos tempos difíceis da economia.

Uma nova linha de financiamento foi lançada em junho pelo governo federal a empresas que faturam até R$ 3,6 milhões por ano justamente para amenizar os efeitos da crise. Chamado de ‘Travessia’, o projeto pretende ajudar os pequenos empresários a superar esse momento sem elevar ainda mais o desemprego. Uma das regras para ter acesso ao crédito, por exemplo, é manter o mesmo número de funcionários.

Mas como saber se esse é o melhor caminho e qual a melhor forma de fazê-lo? “A primeira coisa é identificar a real necessidade do empréstimo e saber como está a situação do seu negócio”, aconselha Marco Boza, consultor do Sebrae-MS, “É preciso analisar: eu vou ter condições de pagar tudo isso, de quitar as obrigações que eu estou assumindo?”, complementa.

O perigo do empréstimo na crise financeira

Na avaliação do consultor, tomar dinheiro emprestado do banco para pagar dívidas só é aconselhável no caso em que a taxa de juro do empréstimo é mais baixa do que a das dívidas do empresário. “Aí pode ser, sim, um bom negócio, para minimizar problemas no futuro”, afirma. “Mas a dica sempre é planejamento. Conta, papel e caneta na mão, ver várias opções e analisar quais as consequências de cada uma delas”, observa.

Se por um lado o empréstimo pode aliviar o cenário numa crise, ou mesmo permitir que o empresário mantenha seus investimentos, por outro pode acabar virando um pesadelo. “Isso pode acontecer, primeiro porque você está pagando juros mais altos. A gente vive um momento hoje em que as taxas de juros estão muito altas. Se a pessoa não estiver muito bem organizada pode ser um tiro no pé, sim”, analisa o consultor.

“Não adianta nada eu buscar um empréstimo no mercado com a taxa mais alta de juro do que eu já estou pagando, do que eu tenho de dívidas”, exemplifica. Ele recomenda que o empresário trabalhe com os controles financeiros sempre em dia, tenha um bom fluxo de caixa, um bom estudo do negócio e dos controles financeiros gerais para tomar as melhores decisões, além de um bom planejamento de futuro.

Sem contar que fazer pesquisa em instituições financeiras diferentes também pode ser um bom caminho, a fim de encontrar os melhores benefícios.

Clube Sebrae
Juliana Soares
Juliana Soares Seguir

Gestão Site - SebraeMS

Ler matéria completa
Indicados para você