[ editar artigo]

Inbound Marketing para pequenas empresas

Inbound Marketing para pequenas empresas

Optar pelo marketing digital é uma estratégia mais simples e econômica do que o marketing tradicional. Podendo ser adotada por micros e pequenos negócios, tanto de comércio quanto de serviços, por meio de um baixo investimento, as iniciativas têm alta taxa de retorno e mensuração. Esta foi a posição defendida por Alexandre Teixeira, especialista em inbound marketing, no #Connect - realizado pelo Sebrae Paraná no dia 27 de setembro. Durante o webinar, o especialista buscou mostrar como utilizar essa ferramenta nas MPEs.

Alexandre é sócio-diretor da In Company, tem mais de 25 anos de experiência em marketing e comunicação, coordena equipes de projetos de marketing em várias cidades do Brasil. Ministra palestras sobre o tema em seminários e congressos focados em marketing e já foi coordenador de MBA e pós-graduação do Instituto Superior de Administração e Economia da FGV. Durante a palestra, ele abordou noções fundamentais em torno desse tema e deu algumas sugestões que podem ser adotadas pelas empresas de menor porte a investimento quase zero.

Inbound e outbound marketing

O cenário ideal é que as duas estratégias aconteçam de forma conjugada. O outbound marketing atua de maneira mais ativa, como um marketing de saída, abrangendo anúncios de TV, rádio, campanhas de e-mail marketing, indo em busca do público-alvo e incentivando-o a comprar seu produto ou lembrar-se de sua marca. Mas nem sempre se tem orçamento para aderi-lo.

Por outro lado, o inbound marketing é um marketing de atração, fundamentado em conteúdo. Isso inclui, principalmente, a produção de posts, além de links patrocinados. O objetivo é atrair seguidores, melhorar o relacionamento com quem já conhece a marca, por meio de uma base de dados existente e conectar-se com essas pessoas.

Nesse tipo de marketing, o conceito fundamental é a entrega de conteúdos com cunho informativo sobre o produto ou serviço. A ideia não é convencer que aquela é a melhor solução, mas reforçar seus benefícios. Com o tempo, fazendo a coisa certa, a tendência é sua marca se tornar autoridade no assunto, com as pessoas-chave sabendo o que faz e seguindo você por isso. O processo natural é que elas sejam convertidas em clientes no futuro. A melhor parte é que as ferramentas estão à disposição de uma forma quase gratuita.

Veja a seguir os principais conceitos para entender mais sobre a estratégia de inbound:

  • Primeiro passo: site

O ponto de partida ou de aterrisagem, nas palavras de Alexandre, é o site institucional. Essa plataforma é para onde todos os clientes poderão se dirigir ao conhecer a marca ou o destino final de uma campanha feita no Google. Dentro do site, é interessante contar com um blog para veicular notícias e artigos, periodicamente.

Investir em um domínio para o site e e-mail próprio é fundamental, pois essas ferramentas ajudam a trazer mais credibilidade para o negócio e reforçar as lembranças da marca.

O uso de técnicas SEO, com aplicação das palavras-chave e URLs específicas para a indexação e posicionamento orgânico do site no Google, além da gestão de conteúdo e impulsionamento das postagens em redes sociais e no blog, são igualmente importantes para alavancar a sua empresa.

  • Uso de personas

Antes de produzir o conteúdo, é essencial identificar a persona, isto é, para quem você está fazendo esse material. Obviamente, qualquer trabalho só deve ser iniciado após intenso planejamento. Reflita: qual é o seu negócio, público-alvo, região geográfica, raio de atuação e outras características que possam ajudar a atingir a melhor pessoa possível.

As personas seriam, portanto, o público-alvo mais qualificado e detalhado, a ponto de poder se construir um personagem fictício com base nessas informações. A ideia é ter uma representação do cliente em potencial. Isso ajudará ainda a criar conteúdo com base no que as pessoas desejam ouvir.

  • Tipo de postagem

Com as personas definidas, fica mais fácil decidir sobre o perfil do conteúdo, ou seja, o estilo e design das postagens: peças coloridas ou sóbrias, texto leve ou formal, mais imagens ou mais texto, tudo isso varia conforme o público. É possível experimentar as diferentes modalidades e “sentir” a reação do público em postagens-laboratório (o que é conhecido como testes A/B), mas o ideal é que isso seja verificado previamente por meio de estudo e pesquisa.

Ao final de cada postagem, é importante inserir um call-to-action, com proposta clara para alguma ação específica, seja curtir a postagem, comentar, cadastrar-se no site etc.

  • Os leads

As pessoas interessadas em saber mais informações sobre seu produto ou serviço são chamadas de leads. Afinal, elas deram pistas de que podem tornar-se clientes. A atração dos visitantes ou leads pode acontecer tanto por meio das redes sociais, em postagens impulsionadas, quanto do próprio Google, em links patrocinados (Google Ads). A ideia é que eles sejam incentivados a visualizar o conteúdo completo no site.

  • Funil de vendas

A estruturação do inbound marketing se dá por meio de um mecanismo conhecido como funil de vendas, que representa a jornada de compra do cliente. Ela acontece em três níveis: atração (topo de funil), conversão (meio de funil) e venda (fundo de funil). Em um primeiro momento, o cliente é atraído; depois, passa a ter mais conhecimento sobre o produto ou proposta; até que, por fim, chega à decisão de compra.

Em todo esse processo, é importante que ele seja nutrido constantemente com informações, até tomar uma iniciativa. Isso gera um branding forte para a sua marca, em relação à concorrência.

  • Landing pages

Nesse sentido, estabelecer uma estratégia de cadastro é peça fundamental para manter o relacionamento durante a jornada de compra do cliente. As landing pages, ou páginas de cadastro, são a ferramenta apropriada para isso. Você pode adotá-la, por exemplo, para incentivar o lead a ter acesso a um artigo detalhado ou informação mais aprofundada, convite para palestra, webinar ou mesmo assinatura de uma newsletter.

O cadastro seria a sua moeda de troca. Nesse material, você pode trazer informações e curiosidades sobre o que faz, “educando” o potencial cliente.

  • Ferramentas disponíveis

Google Analytics: ajuda a mensurar o retorno do seu site.

RD Station, Hubspot: softwares de gestão de inbound que permitem a geração de landing pages e e-books para a aferição do resultado do estágio dos clientes dentro do funil. Além disso, promovem a percepção de retorno do investimento (ROI) em cada nível do funil.

Mailchimp e Mautic: sistemas de disparo de e-mail marketing.

Como começar

Criou um site? Veja a seguir um esquema sugestivo da In Company para implementação do funil na sua empresa:

  1. Atração de leads: blogs, redes sociais, Google Adwords, SEO;
  2. Nutrição de leads: landing page e formulários, newsletters, e-books, vídeos, revistas, palestras, marketing de relacionamento, apps;
  3. Vendas: folder, formulário de proposta, reunião, proposta;
  4. Retenção: atendimento, pesquisa de satisfação, nutrição com conteúdos dos estágios de atração e nutrição, eventos exclusivos, relatórios;
  5. Reconquista: manutenção das ações acima

Gostou do conteúdo deste artigo? Compartilhe, então, o texto nas redes sociais. Para ter acesso ao webinar completo, clique aqui.

Clube Sebrae
Crislayne Andrade de Araujo
Crislayne Andrade de Araujo Seguir

Jornalista pela Uerj, com MBA em Marketing pela FGV e certificação de Produção de Conteúdo para Web, tem experiência em comunicação organizacional e redação para empresas globais. Focada em estratégias de comunicação e marketing para PMEs.

Ler matéria completa
Indicados para você