{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Não Basta estar na web, precisa ser presente nela
[editar artigo]

Não Basta estar na web, precisa ser presente nela

Apenas ter um site já não é suficiente para se destacar no mar de milhões e mais milhões de sites em toda a internet. Páginas e mais páginas, com scrolls infinitos vendendo todo tipo de coisa, informando, discutindo, criando uma infinidade onde poucos se destacam.

Mas qual é o segredo destes poucos? Eles pensam no seu cliente em primeiro lugar.

Esse é mais um texto da nossa série que aborda a necessidade de pensarmos em nossos clientes em primeiro lugar. Antes de achar alguém que faça um site maravilhoso, achar alguém que se preocupe com o público. Usando a criatividade ao nosso favor e não só pegando templates prontos, o nosso objetivo aqui é mostrar para você, caro leitor, que vale a pena investir em seu site, utilizando de exemplos reais para evidenciar como o bom design ajuda sua empresa a crescer.

Numa rápida pesquisa aqui na agência, conseguimos detectar alguns dos principais sites pensados no publico.

TED — Ideas worth spreading

Começamos com o site que nos inspirou a criar este artigo, o TED sempre foi uma referência de como desenvolver uma plataforma voltada para o seu público, seja em seu site principal ou nas ações do TedX pelo mundo.

Com um Layout intuitivo, o público é conduzido através das palestras mais vistas do site, atualizado diariamente em busca de temas relevantes para a comunidade. O site traz um menu simples, indicando as principais formas de encontrar os vídeos, pois acima de tudo, esse é o objetivo do site do TED, auxiliar na pesquisa de palestras.

Um design pensado para facilitar na imersão dos clientes.

Virgin America

Ganhador do prêmio The Webby Awards como melhor site UX 2008, 2013, 2014, 2015 e 2016. A Work & Co criou uma plataforma funcional, transformando a estressante compra de passagens aéreas em um site clean, com formas intuitivas e layout amigável. O Menu fixo torna-se completo, com todas as opções posicionadas de uma forma inteligente. Ele ainda é composto por um degradê em tons que vão do roxo até o vermelho, chamando mais atenção do que o restante do site, com fundo branco.

A Virgin America cumpre bem o seu papel de vender passagens de uma forma agradável, sem agredir seus clientes com pop-up’s suicidas se jogando na tela o tempo todo.

Ele simplesmente pergunta quantos são, de onde são e para onde vão e pronto, essa é a forma mais simples de comprar passagens aéreas atualmente.

Projeto Cultural Ver com as Mãos

Um site que a Labis sente muito orgulho de ter criado. Ver com as Mãos é um projeto de inclusão de pessoas com deficiência visual em atividades artístico-culturais.

“O principal objetivo é proporcionar momentos de contato com diferentes linguagens artísticas, buscando ampliar a participação desse público nos espaços culturais. Acreditamos que inclusão exige mudança de pensamento, por isso, além de atender crianças, adolescentes e adultos cegos ou com baixa visão em oficinas realizadas no Instituto Paranaense de Cegos, ofertamos cursos, palestras e capacitações para profissionais interessados em receber adequadamente esse público.” (Site Ver com as mãos)

Com a inclusão guiando o projeto desde o início, foi criado um site totalmente adaptado para pessoas com deficiência visual. Com o auxílio dos diretores do projeto e dos próprios alunos, a Labis Design criou uma forma de atender o público com interatividade e simplicidade, através de textos claros e descrições detalhadas.

Um projeto onde a experiência do usuário tornou-se carro chefe do design.

Qual o maior problema das pessoas cegas? Se você respondeu “não enxergar”, errou. O maior problema que elas têm é a falta de informação. Se um semáforo passa a apitar a hora que estar verde ao invés de ter apenas uma luz, o fato de não enxergar a luz já não é mais tão importante. A falta da visão é, em última instância, apenas uma restrição a uma série de informações. Se fazemos tais informações acessíveis de outro modo, isso não é mais um problema. Por isso acredito que sites acessíveis tem o potencial de mudar de verdade a vida dessas pessoas. Elas passam a ter a chance de consumir novas informações, de terem as mesmas chances e de conseguirem o que querem.

Lucas Radaelli, Engenheiro de Software do Google Brasil.

Além dos pontos citados em cada exemplo, podemos citar ainda alguns princípios do UX design baseados em Gestaut:

Para um site ser bom, ele precisa ser de fácil digestão para os olhos e cérebro. Isso vai além de ser um site clean e de fácil leitura, ele também precisa ser pensado de uma forma hierárquica, utilizar cores que ao invés de agredir seu leitor, informem e ajudem na organização. Até mesmo a velocidade que o usuário leva para achar uma informação dentro de seu site deve ser levada em consideração.

Estabeleça um grid, o princípio da proximidade afirma que as pessoas percebem objetos próximos uns aos outros como uma única unidade. Não há melhor maneira de controlar a proximidade horizontal do que através de um sistema de rede bem projetada.

Crie padrões, o princípio da semelhança afirma que temos a tendência de criar grupos de objetos que têm formas, cor e sombras similares. Isso cria a justificativa perfeita para transformar esses elementos semelhantes em seus próprios padrões de design. Transforme as formas, ícones, use e abuse da linguagem simbólica, não se preocupe, nosso cérebro é expert em reconhecer padrões, mesmo os mais abstratos.

Todos esses fatores criam um conteúdo de fácil digestão e não ofuscam os olhos de seus usuários quando os mesmo forem utilizar o site.

Seja claro com o seu usuário, o princípio da boa gestalt diz que nós preferimos coisas que são simples, limpas e ordenadas, portanto, design plano. Quando cria-se designs complexos, como botões que piscam em 50 tons diferentes, corremos o risco de perder a atenção do usuários para o tal botão cintilante e nunca mais recuperá-la.

Não entregue o prêmio de bandeja, deixe que seu usuário explore o ambiente, dê pistas para ele. Uma imagem que se tornou muito grande para uma página única, pode ser cortada ao meio por exemplo, deixe o usuário descobrir o restante dela ao rolar o scroll do mouse.

Saiba explorar o layout do site com simetria, o princípio de simetria diz que é perceptivelmente agradável dividir objetos de uma forma simétrica. Para os olhos humanos é estranho ver algo quando o mesmo está fora de proporção, parece que foi jogado ali de forma aleatória, mostrando a falta de cuidado de quem projetou. Um layout equilibrado pode marcar a memória de seus usuários, fazendo com que eles queiram voltar ao site.

Interagir com o usuário por meio de animações suaves podem ser outra ferramenta para cativar seu público.

O princípio da experiência passada indica que elementos que foram agrupados no passado serão visto dessa maneira no futuro. O botão vermelho com um X no centro, localizado no canto superior direto de sua página do browser indica que ao clicar ali a sua página será fechada, se você notar, todos os botões de fechar ficam situados nessa exata posição, pode-se mudar a cor ou o tamanho, mas sua localização é sempre a mesma. Isso acontece por que temos gravado em nossa consciência que este é o local do botão fechar, e consequentemente, as pessoas usam o conhecimento prévio para entender as coisas do presente, fazendo associações diretas com sua memória, ou seja, se você modificar certos padrões, seus usuários serão levados à cometer erros.

A beleza é a usabilidade!

Tenha isso em mente e seja um ponto de referência no mar chamado internet.

Henrique Catenacci

Henrique Catenacci

Diretor - Labis Design

Fique informado sobre as novidades da comunidade
Cadastre-se aqui
Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
Nova publicação

Artigos relacionados

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar