O controle da sua empresa está nas finanças corporativas
[ editar artigo]

O controle da sua empresa está nas finanças corporativas

Suas finanças, seus controles e sua gestão estão em dia? Você conhece todos os números do seu negócio, domina seus custos, sua margem de contribuição, o seu ebitda, seu lucro líquido? Sabe quais são os principais indicadores do seu negócio? Qual é a real situação das finanças corporativas da sua empresa?

Estas respostas com toda certeza são o diferencial para a saúde financeira de seu negócio. Peter Drucker, considerado por muitos o pai da administração moderna, nos leva a uma reflexão quando afirma que “se você não pode medir, não pode gerenciar”. Convido você a refletir o porquê as métricas e os indicadores são tão importantes para um negócio, porque a disciplina e a organização são com toda certeza o divisor de águas.

Na prática sabemos que administrar um negócio não é uma tarefa fácil e toda a energia do empreendedor está canalizada na consolidação da empresa, seu crescimento e a evolução do faturamento. Sim, esta iniciativa está absolutamente correta, porém quase que instintivamente acabamos deixando de lado a gestão financeira e os controles.

Naturalmente tendemos a não dar importância para algo tão vital quanto a expansão e o crescimento do negócio, e passamos a caminhar em um terreno de subjetividades onde o “achismo” impera e não podermos afirmar ou demonstrar qual a real situação. Nesta hora é necessário que o empreendedor deixe essa zona de desconforto, onde há apenas uma visão superficial das finanças de seu negócio, e tenha a certeza de saber para onde a organização está indo.

Medir e gerenciar vai muito além de apurar números e fazer lançamentos. É um trabalho que envolve toda uma ciência para a busca de informações. É preciso interpretar e julgar se cada resultado alcançado é positivo ou negativo. Isto porque um indicador por si só é apenas um número, mas um indicador somado ao seu conhecimento e sua interpretação certamente será o “gps” que a sua empresa precisa.

Bom, mas o que fazer e por onde começar?

Em primeiro lugar é preciso saber qual o payback e o ROI (Return on Investment ou Retorno sobre o Investimento) da sua empresa. Basicamente ambos os termos dizem respeito ao quanto a organização obtém de retorno a partir do seu investimento mensal. Em resumo, a análise destes números vai mostrar se é melhor investir em um CDB ou nesta empresa, sempre levando em consideração o seu objetivo e expectativa de remuneração.

Em segundo lugar temos o EBTIDA, sigla para Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, também conhecido como LAJIDA, versão em português que significa Lucros Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização.

Estes termos representam a capacidade da empresa de geração de caixa, ou seja, o quanto a empresa gera de recursos em suas atividades operacionais. Ele indica também se a representatividade de cada um de seus principais grupos de custos e despesas estão “controlados” e adequados ao negócio.

Dominar a gestão do fluxo de caixa é um dos principais fatores na tomada de decisão, sejam estas operacionais, de investimento ou de financiamento. Investir para ter este controle é o que certamente irá te conduzir a escolhas mais acertadas. Uma vez dominada a gestão do fluxo de caixa é possível até mesmo utilizar o método de fluxo de caixa projetado e o tão sonhado planejamento financeiro, que certamente irá produzir um resultado melhor para o seu negócio.

————————————————————————————————————

Se cadastre no Clube você também e compartilhe seu conhecimento com a comunidade!

Clube Sebrae
Tompson Beling
Tompson Beling Seguir

Ceo e Co-Founder - Código Contábil

Continue lendo
Indicados para você