[ editar artigo]

O princípio da eliminação de desperdícios do Sistema Toyota de Produção

O princípio da eliminação de desperdícios do Sistema Toyota de Produção

Membros da família Toyota desenvolveram no Japão entre o período de 1948 e 1975, o Sistema Toyota de Produção, ou STP, que surge para alavancar um cenário onde as indústrias japonesas possuíam uma produção muito reduzida juntamente a uma assombrosa falta de recursos. Sendo princípios peculiares desse sistema: a redução e eliminação de desperdícios (ser enxuto), e a produção com qualidade.

Com isso, o princípio de eliminação de desperdícios torna-se mais conhecido como a produção enxuta, ou lean manufacturing, que em sua essência consiste em uma manufatura com alto grau de economia de recursos. E tratando-se do princípio de produzir com qualidade, é traduzido em uma busca contínua em produzir sem defeitos, desde a primeira vez.

Dentro do princípio da eliminação de desperdícios, Taiichi Ohno, considerado pai do STP, identificou e categorizou os 7 desperdícios em:

Excesso de produção: produzir além do que o cliente necessita;

Esperas: ociosidade do tempo devido à ausência de pessoas, máquinas e materiais;

Defeitos: retrabalhos, produtos que contém erros, defeitos de qualidade;

Inventário: materiais, peças ou produtos disponíveis em dado momento do processo que o cliente não necessita;

Processos desnecessários: esforços que o cliente não está a pagar ou que não agrega valor para ele;

Transporte: movimentação de matéria prima ou produtos, que não agregam valor;

Movimentação: movimentação de pessoas que não agregam valor.

Basta somente analisar estre princípio, que se pode concluir que o STP busca incansavelmente satisfazer as necessidades do cliente final, ou seja, agregar valor para aquele que de fato se tonará usuário do produto ou serviço.

Além disso, é possível compreender que o sistema está muito mais relacionado a mudança do modelo mental das pessoas, ao invés de apenas a tomada de uma técnica ou ferramenta.

Ou seja, a adoção das práticas da Toyota em seu modelo de produção enxuta, o Lean, torna-se uma filosofia que, na prática, movimenta a mudança de toda uma nova cultura organizacional. 

Por vários anos, organizações dos mais diversos tipos de segmentos têm utilizado o Lean como principal via de transformação gerencial, melhor aproveitamento do conhecimento humano, e claro, a potencialização dos resultados. A adaptação à cultura Lean tem levado indústrias a se reinventarem cada uma com sua preferência no uso de ferramentas e formas de abordagem, mas sempre seguindo a essência do STP. Já existem cases de sucesso nos setores: metalmecânico, confecção, mineradoras, construção civil, gestão pública (governos municipais), saúde (hospitais), hotéis, restaurantes, tecnologia da informação, desenvolvimento de produtos, entre outros.

Pode-se afirmar que existem muitas oportunidades de melhoraria nos processos produtivos, desde as empresas já maduras até mesmo as micro e pequenas empresas manufatureiras. Entretanto, também existe um horizonte a ser desbravado, onde pode-se obter ganhos ainda maiores do que os alcançados no meio manufatureiro: ampliar a aplicação da filosofia Lean para otimizar os processos administrativos, já conhecido como Lean office. Neste sentido, além da indústria, também podemos relacionar o princípio da eliminação dos 7 desperdícios à área administrativa (Lean office) da seguinte forma:

Defeitos: erros em faturas, cotações de compras;

Excesso de produção: impressão de documentos antes do necessário;

Estoques: relatórios, material de escritório;

Processamento desnecessário: relatórios não necessários, cópias adicionais de documentos;

Movimento desnecessário: caminhadas até a impressora ou almoxarifado;

Transporte desnecessários: anexos de e-mails, aprovações de várias pessoas de um mesmo documento;

Espera: demora na aprovação de documentação, sistema fora do ar.

De qualquer modo, seja na esfera industrial ou administrativa, toda iniciativa Lean deve estar sustentada em princípios claros que levem a garantia de criar valor para o cliente. A partir de então, é possível estabelecer uma grande relação de melhorias e mudanças que devem ocorrer nos processos para garantir essa criação de valor.

Para embasar todo o esforço de transformação, várias estruturas gerenciais devem ser alteradas ou criadas, além do comportamento dos líderes que devem estar em total harmonia com a nova cultura e suas práticas, para que isso torne uma transformação contínua e insira o pensamento enxuto em todos da organização. 

Clube Sebrae
Ricardo Tomaz Caires
Ricardo Tomaz Caires Seguir

Movido por desafios. Desde conquistar a linha de chegada de uma meia maratona, até desvendar aquela fórmula do Excel. Meu empenho está diretamente ligado ao propósito de solucionar novos desafios, que contribuam com minha aprendizagem.

Ler matéria completa
Indicados para você