[ editar artigo]

Parcerias: estratégia para crescer

Parcerias: estratégia para crescer

O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e, para as pequenas empresas, em alguns casos, cometer um erro pode ser fatal. Para evitar esse tipo de deslize, fazer parcerias pode ser uma alternativa para crescer, sem muitos riscos.

Existem vários modelos de parcerias que possibilitam agregar valor ao seu negócio, dentre elas estão: criação de produtos ou serviços, financiamento de ideias e até mesmo troca de informações em associações.

Muitos empresários têm medo de passar informações sobre sua empresa, mas o que muitos deixam de pensar é que os problemas pelos quais estão passando, outros empreendedores já passaram e podem ter a solução.

A ideia básica é que a troca de informações derivadas de experiências positivas e negativas possui o potencial de gerar aprendizado e benefícios mútuos.

Terceirização como estratégia para aumentar a produtividade

Buscando cada vez mais aumentar sua produtividade, sem diminuir a qualidade de seus produtos, a Difil se insere nessa nova realidade ao estabelecer algumas parcerias.

A Difil surgiu em novembro de 2010, em Guaraciaba, no Extremo Oeste Catarinense, e começou sua jornada produzindo um mix de produtos bem variado, divididos em três linhas: Linha Praia, Linha Fitness e Linha Íntima. Com as crescentes mudanças no mercado, a Difil passou a trabalhar apenas com a Linha Fitness e Linha Praia, atendendo Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso.

No final de 2016, a empresa estava passando por alguns problemas na entrega de pedidos, devido a sua baixa produtividade. Quando o prazo de entrega de pedidos chegava perto, a empresa apelava para as horas extras dos funcionários.

Com o apoio do Programa Agentes Locais de Inovação do Sebrae, que visa levar inovações para empresa de pequeno porte, passou-se a criar estratégias para diminuir a baixa produtividade.

“Criamos planilhas de produtividade e sistema de bonificação para metas atingidas com o apoio do Programa ALI, para que nossos colaboradores se motivassem”, comenta Felipe.

Ainda assim, o problema não foi resolvido e a empresa fez uma análise de sua produção e diagnosticou que fabricavam a cada coleção 380 modelos e trabalhavam com 50 grupos de tecidos. Como o número de modelos e tecidos era grande, o tempo para o corte e costura era grande. Notou-se ali um dos motivos para a baixa produtividade e, consequentemente, atraso na entrega de pedidos.

Para tentar eliminar essa dificuldade, a empresa passou a trabalhar com 280 modelos e 30 grupos de tecidos. Além de terceirizar 40% de sua produção, diminuir o número de colaboradores e contratar uma designer.

“Essas mudanças diminuíram em até 20% de gastos mensais e 35% de gastos semestrais com matéria prima”, destaca Felipe Casanova, sócio proprietário da Difil.

Felipe conta ainda que diminuiu em 40% a mão de obra na empresa, mas, mesmo assim, conseguiu manter a mesma produtividade, além de conseguir fazer trabalhos terceirizados para outras empresas.

O sucesso em alcançar a solução em fonte externa a empresa estimulou o empresário a explorar outras possibilidades. O Sr. Felipe pretende agora firmar outra parceria com os próprios representantes da empresa: “Queremos chamar nossos melhores representantes para eles nos ajudarem a criar nossas próximas coleções, pois eles estão em contato direto com nossos clientes e possuem informações valiosas sobre as expectativas dos lojistas”, finaliza.

Como você pôde notar, muitas vezes, trabalhar em conjunto pode trazer bons resultados. Caso queira estabelecer parcerias, fica a dica: analise a possibilidade de parcerias e quais empresas se encaixam com o que procura, crie estratégias de ação e apresente suas propostas. Muitas vezes as oportunidades estão próximas, basta prestar atenção!

Até mais!

Sandra Ghidini Klabunde

Clube Sebrae
Sandra G. Klabunde
Sandra G. Klabunde Seguir

ALI - Sebrae / CNPq

Ler matéria completa
Indicados para você