[ editar artigo]

Pense no melhor, prepare-se para o pior: 2018 o ano de incerteza

Pense no melhor, prepare-se para o pior: 2018 o ano de incerteza

Apesar de todas as previsões de crescimento, eleições e ambiente internacional podem impactar os pequenos negócios

Início de dezembro e está aberta temporada 2017 de previsões para o próximo ano. Diferentemente deste ano, que se iniciou com um sentimento de “hora da virada” mais estabelecido, o ano de 2018 apresenta um horizonte de mais incertezas, o que oferece riscos aos pequenos empreendimentos.

É muito complexo prevermos o que irá acontecer no futuro. A CADARN mesmo, junto com outros parceiros empresariais, está montando um documento específico relacionado ao ano de 2018 para ser lançado nas próximas semanas e dentro deste processo são muitas variáveis no ambiente Brasil e no ambiente internacional que podem pesar positivamente ou negativamente para o sucesso dos negócios no próximo ano. Estamos elaborando cenários e assim que estiver pronto vou divulgar as informações para vocês se prepararem.

Entretanto, acredito ser interessante discutirmos de forma mais ampla por meio deste canal sobre o que pode impactar mais diretamente os pequenos negócios.

A perspectiva geral para o ano de 2018 é de crescimento. Todos os principais meios de avaliação acreditam que teremos uma expansão entre 2% e 3% no ano que vem, o que gera certo alívio ao pequeno empresário depois de anos de baixos rendimentos. Diferentemente do ano de 2017 em que a indústria e agronegócio lideraram o processo, o ano de 2018 promete ser positivo também para o comércio serviços, segmento que representa 60% do nosso PIB e grande parte dos pequenos negócios. Copa do Mundo e Eleições serão eventos impulsionadores para economia. Com uma inflação controlada e taxas de juros (ainda altas) mais responsáveis há bons motivos para acreditarmos na elevação do consumo e do investimento e que este cenário de evolução deve realmente se concretizar.

Contudo, há nuvens no horizonte e é importante você pequeno empresário estar preparado.

Dentre todas as incertezas para o ano de 2018 as eleições são a maior preocupação, mas não é a única.  A manutenção do crescimento dos países desenvolvidos é um fator relevante para os negócios, tendo em vista tem possui grande impacto sobre a relação entre o real e as demais moedas internacionais, especialmente Euro e Dólar.

O cenário eleitoral está ainda muito turvo. Deveremos ter um grande número de candidatos em um processo no qual o atual governo não possui muitas chances de emplacar um nome forte. Todos serão oposição, logo dificilmente teremos um candidato apoiando diretamente as reformas sem ressalvas, o que deve trazer riscos à efetivação de uma visão de futuro mais responsável em termos fiscais que o Brasil necessita.

A liderança de Lula (com diversos escândalos de corrupção) e de Bolsonaro (pouco apoio parlamentar, muitas controvérsias e pouco conhecimento sobre propostas para temas relevantes como educação, saúde e economia) também pesa contra a um ambiente econômico mais tranquilo. Assim, as empresas grandes podem não fazer grandes investimentos e esperar para ter mais clareza do resultado eleitoral e das propostas dos vencedores. Assim, é possível que estejamos mais perto do crescimento na casa dos 2% para o ano que vem.

A questão internacional é mais abrangente e difícil de prever os impactos. Temos riscos de guerras, riscos de queda com as bolsas internacionais, riscos com a evolução dos preços das criptomoedas (bitcoin, etherium, dash, etc), risco Trump, entre outras coisas que podem fazer com que o ambiente internacional não seja tão positivo para o Brasil quanto imaginamos. Quando há crise lá fora temos um efeito negativo em termos de confiança dos empresários que acaba tirando dinheiro dos mercados e projetos, o que faz com que o Dólar e o Euro fiquem mais caros. Tal situação gera elevação nos preços e talvez force uma elevação das taxas de juros.

Como estas incertezas impactam meu negócio?

A incerteza política se efetivar até o período eleitoral pode impactar os pequenos negócios que necessitam de investimentos para produzirem resultados positivos crescentes como, por exemplo, construção civil, máquinas e equipamentos e saúde. Tal condição pode atrapalhar a recuperação do emprego, que tem sido positiva desde o início deste ano. Caso isso ocorra, comércio e serviços podem ter um resultado menor do que o inicialmente projetado. Desta forma, ser prudente se fazer necessário e esperar a demanda para compor a estratégia de atuação pode ser relevante.

Quanto a possibilidade de termos um impacto negativo em câmbio, com elevação dos preços e talvez dos juros, podemos ver uma “contaminação” maior da economia. Com preços mais elevados, podemos ter redução do consumo, que é elemento essencial para a produção e para as vendas. Entretanto, empresas exportadoras podem ser beneficiadas, neste caso o agronegócio, bem como as empresas da cadeia florestal, química e petroquímica podem ter um desempenho mais positivo.

Como devo me preparar?

O cenário em que acreditamos é de um ano positivo para o país, com crescimento no maior nível dos últimos cinco anos. Entretanto, gostaríamos de dar algumas dicas de comportamento gerencial para os micro e pequenos empresários:

Mantenha a atenção aos custos: mesmo com uma perspectiva positiva não descuidem de seus custos, pois pode haver alguma reversão no meio do caminho e você terá que agir para manter o desempenho da empresa.

Avalie bem contratações: contrate apenas pessoas que farão a diferença no negócio ou que sejam extremamente necessárias as suas atividades produtivas. Aproveite ao máximo as liberdades da nova lei trabalhista para ter as pessoas que você realmente precisa para o desempenho do seu empreendimento.

Atenção aos estoques: mesmo processo dos custos. Manter elevados estoques podem deixar a empresa com fluxo de caixa empacado em momentos de baixa demanda.

Controle seu caixa: nada mata mais rapidamente uma empresa do que a falta de caixa para arcar com seus compromissos financeiros. Desta forma, não deixe de manter um bom volume de caixa para estar preparado para qualquer situação que o próximo ano te apresente.

Evite fazer dívidas: as taxas mais baixas de juros estimularão a realização de empréstimos e financiamentos, mas com um ambiente ainda incerto pode não haver horizonte para arcar com estas dívidas. Assim, caso seja possível, evite acumular débitos no próximo ano.

Acompanhe o mercado: fique de olho no mercado para identificar mudanças e adaptar seu comportamento e atuação. As coisas hoje mudam muito rapidamente e as pessoas e empresas tendem a se adaptar as condições que elas enfrentam.

É importante se manter positivo, pois a motivação é essencial para fazer os negócios acontecerem e darem certo, mas como diz um velho ditado árabe “confie em Deus, mas amarre seu camelo”.

Esteja sempre preparado!

TAGS
Clube Sebrae
Leonardo de Assis Santos
Leonardo de Assis Santos Seguir

Sócio - Cadarn Consultoria

Ler matéria completa
Indicados para você