[ editar artigo]

Pesquisa de mercado para uma startup em estágio de tração

Seguindo o case sobre pesquisa de mercado para startups, o fundador Marcos participou de um processo de aceleração de startups, conseguiu um investidor anjo, seu aplicativo está no ar, porém, mesmo com os recursos e equipe, ele se depara com um momento de estagnação. O Academic Journal que vinha sendo um sucesso começa a decair, visto que usuários estão deixando de utilizar o aplicativo, e diferente de antes Marcos agora possui cobranças, metas e salários para pagar. E agora, como continuar a crescer?

Ele precisa de informação, mas desta vez uma entrevista ou grupo focal não será suficiente, uma vez que ele possui milhares de usuários. Entrevistando algumas dezenas de pessoas, Marcos conseguiu extrair informação que foi essencial para a guinada de seu negócio. Agora que ele possui uma infinidade de dados a serem explorados, a dúvida que resta é: como extrair informação de tudo isso?

Ele decide consultar sua equipe e um termo é recorrente na conversa: data science, ou ciência de dados. Um campo que unifica matemática, estatística e computação permitindo a análise de dados para solução de problemas complexos, e é justamente disto que ele precisa.

1. Planejamento da pesquisa de mercado

O planejamento da pesquisa difere dos anteriores, em que este é composto pela definição de 3 itens: tipos de dados, objetivos e tipos de análise.

Tipos de dados

Diferente de antes em que definíamos um público-alvo, este já é definido pelos usuários do Academic Journal de Marcos, assim definimos os dados que temos de nosso público-alvo. Ele busca os tipos de dados que possui dos usuários, sendo eles: perfil acadêmico, interação com o aplicativo e mídias sociais.

Após a compreensão dos tipos dos dados, deve-se então entender cada um deles, ou seja, como eles se comportam e interagem. Assim, é interessante analisar cada um, buscando identificar padrões e comportamentos, bem como incoerências.

Objetivos

O objetivo aqui pode ser muito mais amplo e subjetivo. Por exemplo, Marcos deseja entender o motivo pelos usuários do aplicativo de Marcos da expansão de seu aplicativo bem como o caminho que deve tomar para continuar crescendo.

Tipo de análise

Apesar de não ter plano amostral, temos uma tarefa de no mínimo igual dificuldade, selecionar as técnicas para extração de informação. Para análise de uma situação tão complexa e subjetiva, diversas análises são possíveis e necessárias, podemos dividi-las em 3 níveis de complexidade e maturidade de análise:

                 Descritiva: técnicas que permitem a visualização e sumarização dos dados, de forma a entender os dados que se possui. Algumas das técnicas utilizadas são: gráficos, tabelas, medidas resumo, dashboards e relatório automatizados;

                 Preditiva: técnicas que permitem a previsão de cenários futuros, exigem grau maior de conhecimento. Algumas das técnicas utilizadas são: modelos de regressão, séries temporais, entre outros;

                 Prescritiva: técnicas que permitem identificar as melhores alternativas para otimização de resultados. Algumas das técnicas utilizadas são: métodos de otimização, machine learning e inteligência artificial.

Diferente das pesquisas, estes níveis de análises são um processo e possuem uma hierárquica a ser seguida, da análise descritiva a prescritiva. Em alguns casos, somente uma delas é necessária, porém a compreensão delas requer conhecimento e tempo, sendo ideal o aprendizado de todas, preferencialmente em sequência.

Conhecendo estas técnicas, Marcos decide utilizar a análise descritiva. Ele tomou esta decisão não somente por ser o primeiro passo, mas também pelo desconhecimento dos seus dados, de forma que possa entendê-los melhor e futuramente partir para análises mais complexas.

2. Instrumento de coleta

Deve-se então escolher quais as melhores ferramentas para análise descritivas. Diversas opções são possíveis, uma de conhecimento geral, e que funciona para produção de gráficos e dados em quantidade limitada é o Excel, do pacote office, porém este é um software pago. E falando nestes alguns programas de análises estatísticas também são recomendados, como: SAS, SPSS e STATA. Entretanto, além de pagos, possuem um ferramental para a produção de técnicas mais complexas, assim, pode-se pagar por aqueles especializados em análise descritiva, como: QlikView, PowerBI e Tableau.

Porém pode-se fazer análise gratuitamente, e de forma customizada. Muitas linguagens de programação possuem bibliotecas próprias para análise de dados. Entretanto, necessitam de um tempo maior de aprendizado, ainda que permitam mais flexibilidade. Alguns exemplos conhecidos para este propósito são: Julia, Python, R e Ruby.

No caso de Marcos, que deseja ter uma equipe de inteligência própria, investe no aprendizado de uma destas linguagens, a fim de customizar e criar seus produtos futuramente.

3. Análise dos dados

Para análise descritiva dos dados é necessário entender sua natureza. Primeiramente, pode-se dividi-los em dois tipos:

                 Quantitativos: dados de natureza numérica, por exemplo, número de artigos publicados pelo usuário;

                 Qualitativos: dados de natureza categórica, por exemplo, nível de escolaridade do usuário.

Em que outras subdivisões podem ser feitas. Assim, é necessário entendimento de medidas resumo, como: moda, média e mediana, bem como, medidas de dispersão, a fim de avaliar a variabilidade dos dados, como o desvio padrão. Além de outras medidas, como: mínimo, máximo, curtose, assimetria, entre outras.

Dica: Para mais detalhes sobre análise descritiva consulte o livro Estatística Básica de Pedro Alberto Morettin.

Com a análise em mãos, Marcos consegue entender um pouco mais de cada tipo dos seus dados. Por exemplo, os usuários mais ativos participam de inúmeros grupos de discussão no Facebook, e discutem no Twitter sobre eventos, ou seja, o aplicativo que permite a agregação de informações de eventos e revistas não possui ferramentas para isto.

Também nota que a maioria das revistas acessadas são internacionais, bem como a maioria dos conteúdos científicos acessados pelos usuários é escrito em inglês.

4. Tomada de decisão

Marcos, percebendo que há muita discussão e compartilhamento das informações referentes ao meio acadêmico diluídas na Internet, de forma que o público acaba por não utilizar o aplicativo por ser mais uma ferramenta que oferece solução parcial. Além disso, nota que há potencial e evidência para globalização de seu aplicativo, visto que o inglês é a linguagem mais utilizada no meio acadêmico no mundo.

Assim, toma como decisão a globalização de sua ideia, bem como correr atrás de recursos para tal empreitada. E não só isso, agora estamos falando de mundo, um cenário desconhecido, sabe o que mais ele precisará? Isso mesmo, INFORMAÇÃO!

Durante este processo, da abertura ao crescimento, Marcos entendeu quão valiosa é a informação, mas que para se ter valor a informação tem que ser de qualidade, sendo que para obtê-la é necessário muito empenho e conhecimento. E com esta informação refinada seu processo de decisão é muito mais assertivo, de forma que dá subsídios para escolha, lembrando que a pesquisa é o meio e não o fim.

Além disso, viu-se que só uma parcela dos tipos de pesquisa e análises foram abordados neste artigo, de forma que mostramos o passo a passo de 3 exemplos para determinadas fases da vida de uma empresa oferecendo dicas de todas as etapas, sendo possível a customização deste processo em outros casos.

 Então, caso se encontre em algumas etapas que Marcos se deparou neste processo, utilize de meios para obtenção de informação a fim de uma melhor tomada de decisão. E caso tenha dúvidas na execução, na execução, lembre-se de pesquisar muito, ou até recorrer a um profissional especializado, pois ele contribuirá na extração da informação de qualidade.

Mas afinal, quanto custa uma pesquisa de mercado? Caso você tenha interesse em procurar auxílio profissional para desenvolver sua pesquisa de mercado, esteja preparado para encontrar preços dos mais diversos. E por que isso ocorre? Uma pesquisa pode lhe custar R$5 mil ou R$200 mil, essa enorme diferença de preço acontece devido a fatores como o tipo de pesquisa demandado, o tamanho do desafio para a execução, ou mesmo a necessidade de se comprar bancos de dados de terceiros para poder utilizar na pesquisa.

Por fim, deixamos um template para auxílio do planejamento de sua pesquisa de mercado

[ANEXO DO TEMPLATE]

 E se tiver interesse de saber um pouco mais das experiências de Marcos nesta jornada, entre em contato com ele pelo e-mail falecommarcos@googlegroups.com

Clube Sebrae
José Leonardo Quintino
José Leonardo Quintino Seguir

Uma pessoa não conformada com o "impossível de se fazer". Prefiro dizer que ainda não descobri a maneira adequada. Evoluir é o que busco, em todas as esferas que constituem uma pessoa.

Ler matéria completa
Indicados para você