[editar artigo]

Pesquisa revela as melhores práticas de P&D

Nos últimos dez anos tem o estudo Global Innovation 1000 analisa as empresas com os maiores investimentos em pesquisa e desenvolvimento no mundo. O relatório desse ano trouxe uma análise histórica da evolução das práticas e abordagens para maximizar o retorno dos investimentos.

Vejamos alguns resultados interessantes:

1. As empresas mais inovadoras não são as que mais investem em P&D – esse achado já vem se repetindo ao longo de muitos anos e reforça a importância da gestão do processo de inovação. Não há uma relação direta proporcional de investir mais e ser mais inovador. O que importa é a forma como a empresa configura estratégia, cultura, pessoas, ferramentas e combina com os necessários investimentos. Veja a comparação de inovadores e a posição no ranking dos orçamentos de P&D:

2- O crescimento da China como potência para inovação – os investimentos das empresas chinesas cresceram 15 vezes nos últimos 10 anos. Na primeira lista dos 1000 maiores orçamentos havia apenas 8 empresas chinesas. Na última lista já são 114. Somente no último ano os investimentos em P&D das empresas do país cresceu 46%. O país caminha para se tornar uma potencia em tecnologia e inovação,  mudando um pouco a abordagem de apenas copiar ou realizar engenharia reversa.

3- Alocação dos investimentos deverá mudar nos próximos anos – as empresas pesquisas apontaram que pretendem mudar o perfil de alocação de recursos do portfólio, ampliando o investimento em projetos de inovação radical. Atualmente, as empresas se dividem da seguinte forma: 58% em projetos de inovação incremental, 28% em projetos incrementais e apenas 14% em projetos de inovação radical. Em 10 anos os entrevistados projetam investir menos em projetos incrementais e mais em substanciais e radicais.

A inovação incremental é uma melhoria em cima de outra inovação já existente. Um exemplo é uma melhoria em um modelo de carro. Algo que agrega valor a algo já existente. Já a inovação radical é uma mudança drástica na maneira que o produto ou serviço é consumido. Geralmente, traz um novo paradigma ao segmento de mercado, que modifica o modelo de negócios vigente.

O que isso mostra é que as empresas estão investindo em inovações que criam novos mercados. Se você já leu o livro A estratégia do Oceano Azul, vai entender o por quê disso?

4- Os chamados need seekers desempenham melhor que os market readers e Technology Drivers – o estudo apontou que aquelas empresas que buscam o entendimento das necessidades reveladas e não reveladas dos consumidores e desenvolvem soluções para essas necessidades são aquelas que financeiramente tem os melhores resultados. Esse dado reforça a importância do uso de ferramentas e processo para poder fazer a correta leitura no momento adequado.

E aí? Que tal aplicar algumas dessas práticas de inovação no seu negócio?

Felipe Ost Scherer
Felipe Ost Scherer Seguir

Sócio - Innoscience

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar
Indicados para você