[ editar artigo]

Saiba mais sobre os investidores anjo

Saiba mais sobre os investidores anjo

Nos últimos anos, a quantidade de startups no Brasil tem se multiplicado. Apesar de não haver um número específico, estimativas apontam que existam em torno de seis mil delas que buscam incessantemente por recursos financeiros. E, nesse cenário surge a figura fundamental do investidor anjo.

Os investidores anjo são pessoas físicas e jurídicas das mais variadas áreas que destinam seus próprios recursos financeiros para essas empresas ainda em fase embrionária.

A título de curiosidade, o termo “anjo” surgiu relacionado à área de apoio na primeira metade do século XX. Ele era usado para se referir à indivíduos que financiavam diversas produções teatrais na Brodway, de forma bem parecida com os mecenas e patronos que costumavam apoiar artistas em séculos passados.

Que saber mais sobre esses anjos? Confira nosso post especial sobre o assunto.

Quem faz o investimento

Em linhas gerais, o investidor anjo pode ser um empresário, empreendedor de sucesso, executivo ou qualquer pessoa que conseguiu obter solidez em sua carreira profissional.

O grande diferencial é que essas pessoas decidiram dedicar um pouco de seu tempo, daquilo que aprenderam e claro, recursos financeiros, para apoiar startups que ainda são muito precoces. Ou seja, ainda estão na primeira fase de crescimento.

Um ponto que poucas pessoas sabem é que um investidor anjo também precisa se capacitar especialmente se for “marinheiro de primeira viagem”. Atualmente há uma série de cursos muito bons para pessoas que desejam se especializar na área.

Todo o cuidado com relação à capacitação está relacionado ao fato de que estamos tratando de um negócio de alto risco. Ou seja, não há nenhum tipo de certeza e/ou garantia de que o dinheiro aplicado retornará.

Perfil do investidor anjo

Não existe um perfil específico para essa atividade. Por exemplo, podemos encontrar aqueles que pretendem e gostam de ser mais ativos dentro da empresa. Já outros preferem manter certa distância e apenas capitalizam o investimento feito.

De uma forma geral, esse empresário trabalha junto com a startup. Ele acredita na proposta e quer crescer junto. Por isso, ajuda o dono do negócio a chegar ao objetivo final, até porque o momento em que ele tem contato com o empreendimento ainda é em sua fase embrionária. Ele confia na ideia e no empreendedor por trás do negócio, mesmo não sabendo se algo dará certo.

Mais do que dinheiro

Como observamos pelas informações apontadas acima, o papel do investidor anjo em relação às startups vai muito além do que o dinheiro aplicado. Na maior parte das vezes esse personagem atua como um verdadeiro mentor, consultor e orientador ajudando os novos empreendedores a entender e identificar problemas e oportunidades.

Para que você tenha uma ideia do peso da importância de um investidor anjo, basta dizer que gigantes atuais como Buscapé, Apple e Google receberam ajuda dessa modalidade de aporte financeiro para se tornarem o que são hoje.

O investimento na prática

De uma maneira geral, o investimento funciona da seguinte forma: o empresário aplica o dinheiro e, em troca, recebe ações da startup. É interessante ressaltar que essas ações são preferenciais na maior parte dos casos, mas também pode acontecer de ele ficar com uma dívida que pode ser convertida em papeis da empresa.

Se o acordo feito seguir a segunda opção acima, significa que o investidor anjo está, basicamente, emprestando o seu dinheiro para que a startup continue o projeto. A conversão dessa dívida em papeis da empresa geralmente é feita após um determinado período de tempo acordado entre as duas partes envolvidas.

Uma curiosidade que vale a pena destacar é que com a finalidade de aumentar as possibilidades de sucesso, investidores anjo também realizam investimentos em grupo. No Brasil, já existem diversas associações que trabalham oferecendo consultoria e assessoria para investidores interessados nesse segmento do mercado.

De forma resumida, essas associações criam verdadeiros bancos de contatos, procuram e apresentam startups aos potenciais investidores. Além disso, elas prestam serviços relacionados à documentação para esse tipo de processo. Algo fundamental, uma vez que estamos tratando de um negócio de risco.

Uma aliança de investidores anjo significa que todos eles estão aplicando investimentos seguindo o mesmo contrato e estão sujeitos aos mesmos termos. Porém, é comum haver alguém dentre eles que seja o responsável pela negociação e apresentação dos termos contratuais, sendo que esse investidor atua como representante dos demais membros do grupo.

Investidor anjo x sociedade

Uma dúvida muito comum em relação ao papel desse investidor é se, ao aplicar dinheiro em uma startup, ele, automaticamente, torna-se sócio dela.

Na realidade, ele não se torna integrante da empresa como sócio. Em 2017 entrou em vigor no Brasil a Lei Complementar 155/2016 - é ela que dispõe sobre as regras de funcionamento dos investimentos anjo. De acordo com o texto da lei, o investidor anjo não pode se tornar sócio da startup, pois há uma distinção entre o que é participação societária e investimentos nessa modalidade.

Isso serve como uma garantia para ambos os lados. O empreendedor fica com o domínio e sabe que seu negócio não será controlado pelo investidor. Já o investidor sabe que, por não ser sócio, não tem nenhuma responsabilidade ante as obrigações legais da empresa.

Outro ponto positivo dessa lei complementar é que ela dispõe que, mesmo com o aporte financeiro do investidor anjo, a startup continue enquadrada como uma empresa do Simples Nacional. Ou seja, ela poderá continuar tendo acesso aos benefícios do Simples mesmo após o investidor ter aplicado o dinheiro.

Entre esses benefícios temos a simplificação tributária e a redução de impostos, fatores muito importantes para quem está começando no mercado.

Apesar de esse tipo de investimento ainda não ser muito popular a expectativa é de que a lei que entrou em vigor em 2017 ajude nesse sentido e sirva como incentivo para que a prática torne-se cada vez mais popular.

Entender e identificar problemas e oportunidades

Uma das principais dúvidas relacionadas ao investidor anjo é se eles ajudam a identificar e corrigir possíveis problemas na startup, considerando que ele não tem um papel executivo.

Estamos falando de pessoas que são bem-sucedidas, experientes e entendem as tendências e funcionamento do mercado. Além disso, esses indivíduos têm um campo de visão maior para a identificação de problemas, soluções e oportunidades. E, também, podem contribuir para o desenvolvimento de novos produtos para a startup.

Isso não quer dizer que o investidor anjo terá uma solução para todos os problemas da empresa ou saberá todas as respostas. Aliás, um erro comum é achar que, como tem mais experiência, vai cuidar de tudo.

O investidor anjo, de fato, auxilia o empresário a identificar e resolver problemas específicos. Mas seu papel fundamental é o de ajudar esse empreendedor e não tomar o lugar dele!

No meio disso tudo não podemos nos esquecer que estamos falando sobre inovação e futuro. Como bem sabemos, todos os dias surgem startups ligadas a diversas áreas. Sendo que, muitas delas conseguiram desenvolver projetos, ampliar o campo de atuação e hoje estão servindo de referência para outras empresas que estão começando a investir em inovação.

O principal cuidado que o investidor anjo deverá tomar é mesmo ter plena consciência, ou seja, conhecer bem o projeto para o qual está planejando direcionar investimentos.

Como apontamos logo no início, o investimento é um negócio de alto risco. Conhecimento, pesquisa e algumas doses de paciência são essenciais para o sucesso do projeto escolhido.

Por fim, vale ressaltar o papel de quem investe: eles servem como verdadeiros fomentadores de um futuro cada vez mais promissor ao compartilhar seus conhecimentos e recursos financeiros.

E, você, o que acha do investidor anjo e desse modelo de investimentos? Compartilhe conosco e com nossos leitores suas percepções sobre esse tema!

Clube Sebrae
Denisson Soares
Denisson Soares Seguir

Analista de Produção de Conteúdo. Atua no mercado de Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing. Acompanha de perto tudo que acontece no mundo da tecnologia. Entusiasta de ideias inovadoras que ampliam os horizontes e as possibilidades das empresas.

Ler matéria completa
Indicados para você