O comportamento dos consumidores em mais 3 tendências
[editar artigo]

O comportamento dos consumidores em mais 3 tendências

Para ajudá-lo a entender melhor as principais transformações do mercado e dos consumidores, desenvolvemos uma série de três artigos, abordando as informações do estudo Global Consumer Trends for 2018, desenvolvido pela Euromonitor.

Até o momento, já abordamos as seguintes tendências:

1) Pessoas buscando por um estilo de vida mais limpo e minimalista.
2) Clientes mais cautelosos, escolhendo compartilhar, em vez de comprar.
3) Consumidores usando plataformas online para defender marcas alinhadas aos seus valores e denunciar empresas que vão contra ao que eles defendem.
4) Pessoas querendo ter um estilo de vida mais independente, buscando empresas que as ajudem nessa busca.
5) A realidade virtual fazendo cada vez mais parte da jornada de compra, tornando-se uma ferramenta relevante no processo de decisão do consumidor.

Para ler os artigos na íntegra, acesse:

Hoje, para encerrar esta série, apresentaremos mais três importantes movimentações do mercado e dos consumidores. São elas:

6) Clientes agindo como verdadeiros detetives na hora de escolher o que e de quem comprar.
7) Consumidores demandando maior participação no desenvolvimento de produtos e serviços, comprando itens que reforçam suas identidades.
8) A busca por mais liberdade e a preferência por experiências (ao invés de bens materiais), que impulsiona a tendência de compartilhamento de moradias.  

Vamos lá!

6 – CONSUMIDORES INVESTIGADORES


relatório 2018 Edelman Trust Barometer mostra que, globalmente, estamos vivendo uma crise de confiança nas instituições. As pessoas estão confiando cada vez menos nas empresas, no governo e na mídia.

Nesse cenário, muitos consumidores assumem o papel de verdadeiros detetives no processo de compra.

Esse perfil de cliente, por sua vez, exige total transparência das organizações em relação aos seus processos de produção e de trabalho. Para esses consumidores, cada compra é uma declaração sobre suas próprias identidades. Por isso, eles tomam muito cuidado na hora de decidir o que e de quem comprar.

Para conquistar a confiança de consumidores com esse perfil, as empresas precisam ser totalmente transparentes em relação aos seus processos e suas relações de trabalho – desde o material utilizado, a fonte dos ingredientes até à forma de produção e distribuição.

Leia também!

#MeToo – O que as empresas podem aprender com o caso "Harvey Weinstein"

Case: phannatiq

Com cada vez mais denúncias sobre as más condições de trabalho na indústria têxtil, os clientes estão mais atentos e demandando transparência das marcas de roupas em relação aos seus processos de produção.

Para dar todas as informações que os consumidores investigativos precisam, a marca de roupas phannatiq deixa explícito em cada peça todo o processo de desenvolvimento.

Clique aqui para saber mais. 

Para pensar:

  • Quanto dos seus processos os seus clientes conhecem?

  • Quanto mais informações o cliente puder ter a partir dos canais da própria empresa, menos chances sua marca tem de sofrer com denúncias falsas ou especulações que podem prejudicar sua imagem.

  • Aproveite este momento de reflexão para analisar seu site, a forma como sua empresa se comunica nas redes sociais, e assim por diante, e rever seu posicionamento no que diz respeito à transparência sobre processos e relações comerciais.

7 – CONSUMIDORES CRIADORES


A mudança de foco de “possuir” para “emprestar” (como mostramos aqui) indica que os clientes estão cada vez mais cuidadosos na hora de comprar um produto. Como consequência, eles priorizam a aquisição de itens que possam ser personalizados de acordo com seus estilos e preferências.

A vontade de fazer um produto ser “a sua cara” já está impactando o comportamento de consumo de muitas pessoas, que não querem ter um item generalizado, sem significado ou ligação com sua identidade.

Essa personalização, no entanto, não precisa ser muito complexa. Os consumidores criadores querem que as empresas ofereçam ferramentas ou participação no processo para que eles deem um toque pessoal no desenvolvimento do produto.

Case: Mon Purse

Oferecer a possibilidade de customização com conveniência e facilidade é o caminho certo para conquistar os consumidores criadores.

A Mon Purse oferece aos clientes a possibilidade de eles criarem seus próprios designs de bolsas.

É possível escolher o modelo, as cores e o couro utilizado em cada parte do produto. E ainda, o cliente fala diretamente com o produtor responsável durante o processo de fabricação.

Para pensar:

  • Nem sempre é possível permitir que o cliente interfira na produção do produto ou serviço. Mas quanto mais sua empresa conhecer seu público e levar ele em conta em seus processos, mais os consumidores irão sentir que seus produtos e serviços são feitos para eles.

  • Assim, uma boa alternativa para estar mais próximo dos clientes, sem deixá-los assumir o controle sobre a produção do que você vende, é fazendo pesquisas de satisfação, de opinião e de interesse rotineiramente. Dessa forma, seus clientes se sentirão valorizados e ouvidos, o que os ajudará a sentirem-se parte da sua empresa.

8 – COLIVING


O comportamento do consumidor na hora de comprar ou alugar imóveis também tem se transformado.

Depois do coworking (ambiente de trabalho compartilhado), chegou a vez do coliving: a moradia coletiva.

Nesse modelo, as pessoas vivem em um ambiente onde compartilham espaços como cozinhas, lavanderias, sala de jantar etc.

Esse movimento tem sido impulsionado pelo crescimento dos preços dos imóveis, atraindo pessoas que buscam uma forma mais acessível de morar em um ambiente mais amplo e com uma estrutura completa.

Além disso, outro fator importante é a mudança no perfil dos consumidores, que querem mais liberdade para se movimentar de um lugar para outro e preferem adquirir bens materiais que promovam experiências – neste caso, a experiência de compartilhar moradias com um grupo de pessoas, formando uma comunidade.

É importante salientar que não são só os jovens que têm interesse por esse tipo de residência. Além dos millennialsessa tendência é forte também entre pessoas com mais de 65 anos, formando os chamados “co-lares”:

Case: The Collective Old Oak

Conveniência e experiências colaborativas são questões que estão no centro desta tendência.

Considerado o maior projeto de coliving do mundo, o The Collective Old Oak oferece cozinhas comunitárias, coworking, salas de jantar, biblioteca, sala de cinema, academia, lavanderia, restaurante, loja de conveniência e spa. O empreendimento tem 10 andares e conta com 500 moradores que dividem esses espaços coletivos.

Para pensar:

  • Esse movimento deve impactar diretamente empresas do setor imobiliário. No entanto, é importante ficar atento se sua empresa – seja qual for o segmento – atende clientes com esse perfil.

  • Avalie de que forma seus produtos/serviços estão alinhados às necessidades desse grupo de consumidores.

Chegamos ao fim da série sobre as tendências que estão moldando o comportamento do consumidor da atualidade.

Agora, queremos saber:

  • Ficou com alguma dúvida sobre as tendências abordadas?

  • Conseguiu identificar algumas mudanças alinhadas com o comportamento dos seus clientes?

  • Já consegue perceber os impactos dessas transformações no seu mercado?

Reflita sobre tudo isso e prepare a sua empresa – ou o seu sonho de empreendimento – para atender às necessidades, aos desejos e às vontades do consumidor atual!

Deixe um comentário com sua pergunta ou opinião e participe do debate sobre as principais mudanças nos modelos de negócios e no comportamento de consumo da atualidade.

Veja também!

Para mais histórias inspiradoras e boas lições para o seu negócio, acompanhe o Grupo Sebrae Trends aqui no Clube do Empreendedor. Para isso, basta clicar aqui.

Francine Pereira
Francine Pereira Seguir

Jornalista baseada em Tóquio (Japão) e caçadora de tendências do Sebrae Trends.

Continue lendo
Indicados para você