[ editar artigo]

Tenho medo de crescer!

Tenho medo de crescer!

Em recente participação como mentora de um grupo de empresários, foi possível vivenciar e sentir o quanto os empresários são solitários quando o tema é fazer sua empresa crescer. Para quem é MEI-Microempreendedor Individual, mais do que em qualquer outro formato de empresa, a capacidade de crescimento está no próprio empresário. Crescer, impreterivelmente, oferece riscos. Aliás, todo tipo de mudança, ainda que pena, no campo empresarial, oferece um grau de complexidade e, consequentemente, de riscos. O que de início realmente pode assustar um pouco esses empreendedores.

Tudo isso me fez refletir sobre como, no fundo, os empresários são corajosos no ato de empreender e por vários motivos ao longo do tempo, são anestesiados e muitas vezes desacreditados em seu potencial de crescimento. Não basta apenas pensar nos riscos que o crescimento oferece, mas também quais os riscos de não investir para crescer. A empresa sobreviveria sem esse processo?

Muitas podem ser as verdades:

- Não tenho organização, serei sufocado pelo processo sem controle;

- Meu espaço físico não comporta ampliar mercado;

- Minha família não me apoia;

- Não sei por onde começar;

- Não tenho recurso financeiro;

- Não tenho referência de onde buscar inspiração;

- O produto é bem aceito, mas não tenho especificações técnicas.

São tantos “nãos” que logo o pensamento é “prefiro não me mover”.

Compartilho com vocês, lições aprendidas com Adriano Spanhol, mediador da oficina de planejamento direcionada ao grupo de Microempreendedor Individual, onde concluímos que é necessário fazer mudanças de  comportamento para crescer.

Movimento: Empreender nada mais é do que fazer acontecer, independente dos recursos disponíveis. Não haverá reação sem ação. O mundo das ideias precisa de movimento para se concretizar.

Direção: Planeje onde quer chegar e estabeleça suas metas. Não apenas com relação à sua empresa, mas todos os seus objetivos: profissionais, pessoais e familiares. Analise questões como: Quem? Por que? Vai te prover isso?

Velocidade: O empresário deve se questionar como reverter o tempo em produtividade, por exemplo, o que precisa fazer para faturar o dobro, trabalhando a metade.

Em todos esses processos, o empresário pode ser melhor sucedido se buscar a orientação de um especialista na área em que deseja crescer, uma pessoa disposta a ajudar, basta que você apresente suas dúvidas. O apoio técnico é muito importante.

Há várias formas de fazer a apresentação. Indico o modelo do Pitch, que é uma forma de apresentar a sua empresa para um possível mentor ou interessado em apenas três minutos. É um formato muito utilizado pelas startups, que são um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza.

Esse recurso é totalmente aplicável a qualquer empresa e projeto, para você que está iniciando sua empresa e para o MEI que busca auxílio e orientação para crescer.

Prepare-se para falar da sua empresa de forma sucinta, com objetivo de sensibilizar seus interlocutores para seu projeto, produto, ideia e modelo de empresa.

O mesmo método pode ter variações, de acordo com a necessidade e foco, desde buscar investidores, financiamento, ofertar produtos e serviços, atingir seus clientes no momento de encantamento e conversão em vendas.

Quer exercitar? Acesse o site http://epitch.com.br/  e responda as perguntas, elas vão te auxiliar no planejamento da sua apresentação. Depois teste fazendo a apresentação da sua proposta a outras pessoas, registre as percepções, opiniões e o que mais chamou a atenção, melhore seus pontos de dúvidas e demonstre suas forças. Convença! Dois minutos é seu tempo limite. Se necessário, após uma reavaliação, apresente novamente a outras pessoas.

Organize suas ideias, tire da cabeça, formate no papel, em apresentações, você tem disponível excelentes ferramentas para complementar sua apresentação de forma a agilizar o entendimento e valorizar sua proposta. Esse é o momento ideal para ser criativo! É muito importante que você não desanime e nem fique preocupado se o processo de aprimoramento demorar um pouco. Você pode levar semanas para estar realmente preparado.

Estabeleça também o planejamento para os próximos 6, 12 e 24 meses, nunca perca isso do seu mapa de crescimento:

- Qual a meta de faturamento?

- Para atingir esse faturamento, quanto devo investir na empresa?

- Qual a meta de lucro?

- Você tem estratégia para crescer com dinheiro e sem dinheiro?

Outro medo de crescer são os impostos, que passam a ter um custo mais elevado quando há mudanças no regime de tributação, que tem relação com a receita bruta anual da empresa.

Para o próximo ano (2018), passam a valer as alterações propostas pelo projeto conhecido como Crescer Sem Medo (Lei Complementar 155/2016), em que o teto de faturamento do MEI – será até R$ 81 mil. Se você estava na zona de conforto de R$ de 60mil, veja que há possibilidade de crescimento neste porte de empresa. Para quem se enquadra no regime de tributação do Simples Nacional, o teto de faturamento passa de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões.

Então aproveite as oportunidades, esteja preparado para o sucesso!!!

 

 

Clube Sebrae
Carla Selva
Carla Selva Seguir

Consultora - SEBRAE PR

Ler matéria completa
Indicados para você